Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de junho de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 19/06 às 19h12min

Bolsas fecham em alta em Nova Iorque, puxadas por setores de tecnologia e de finanças

As bolsas em Nova Iorque terminaram a sessão desta segunda-feira (19), em alta, com a recuperação das ações de tecnologia, que fizeram os índices Dow Jones e S&P 500 renovarem máximas históricas intraday. 
No fim da tarde em Nova Iorque, o Dow Jones fechou em alta de 143,88 pontos (+0,67%), aos 21.528,16 pontos, o S&P 500 avançou 20,27 pontos (+0,83%), aos 2.453,42 pontos, e o Nasdaq subiu 87,25 pontos (+1,42%), aos 6.239,01 pontos.
O setor de tecnologia teve alta de 1,7%, com alguns analistas apontando que os investidores estavam em busca de um movimento de recuperação após três sessões de forte queda.
Os papéis de gigantes do setor tiveram dia positivo, com alta das ações da Apple (+2,86%), Facebook (+1,48%) e Amazon (+0,76%).
O otimismo também foi impulsionado pelo bom desempenho das praças europeias, após o presidente Emmanuel Macron conquistar a maioria no Parlamento na disputa eleitoral que se encerrou neste domingo.
No primeiro dia de negociações oficiais do processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o secretário britânico para o Brexit, David Davis, e o principal negociador da UE sobre a questão, Michel Barnier, adotaram uma atitude construtiva.
Ainda em relação ao Brexit, o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, declarou que a saída do Reino Unido da UE pode unir os setores financeiros britânico e americano e que gostaria de discutir um acordo de livre comércio entre as partes. Os comentários deram impulso ao setor financeiro, com destaque para os papéis de bancos como JPMorgan (+2,19%) e Goldman Sachs (+1,95%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia