Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de junho de 2017. Atualizado às 20h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Alterada em 15/06 às 20h44min

Netflix vai reajustar os preços de parte dos planos a partir de julho

Último reajuste do Netflix no Brasil foi em junho de 2015, mas valia apenas para novos assinantes

Último reajuste do Netflix no Brasil foi em junho de 2015, mas valia apenas para novos assinantes


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Agência Folhapress
O Netflix, serviço de streaming de séries e filmes, vai aumentar o preço da mensalidade de parte dos planos no Brasil em julho, segundo comunicado enviado aos assinantes nesta quinta-feira (15). O plano padrão, que permite acesso em até dois dispositivos simultaneamente e imagens em alta definição, passa de R$ 22,90 para R$ 27,90. O premium, com uso em até quatro aparelhos com HD, vai de R$ 29,90 para R$ 37,90. Já a assinatura básica, em uma única tela e sem imagens com alta definição, continuará custando R$ 19,90. 
O último reajuste dos preços do Netflix no Brasil aconteceu em junho de 2015, mas valia apenas para novos assinantes. Quem já usava o serviço antes do aumento passou a pagar mais apenas em maio de 2016. Em nota, o serviço confirmou o reajuste, afirmando que a ideia é "continuar oferecendo um serviço cada vez melhor, com novas funcionalidades, como downloads".
O Netflix concentra quase metade dos seus assinantes em mercados que não o dos Estados Unidos, país de origem da empresa de streaming. No fim de março deste ano, o serviço tinha 50,9 milhões de usuários, ante 47,9 milhões em outros países. Mesmo assim, cerca de 60% do faturamento, de US$ 1,5 bilhão, ainda vem dos norte-americanos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia