Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de junho de 2017. Atualizado às 19h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

15/06/2017 - 20h00min. Alterada em 15/06 às 20h03min

Dólar sobe após Fed indicar que dados fracos não devem impedir alta de juros

Cotação ocorre após manutenção da tendência de alta dos juros, mesmo com atividade fraca nos EUA

Cotação ocorre após manutenção da tendência de alta dos juros, mesmo com atividade fraca nos EUA


Patrícia Comunello/Patrícia Comunello/ESPECIAL/JC
O dólar subiu nesta quinta-feira (15) na esteira da indicação do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) de que os dados fracos dos Estados Unidos não prejudicarão seus planos para elevar as taxas de juros. O Dollar Index, que mede a divisa americana contra uma cesta de 16 moedas, subiu 0,6% para 88,63.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 110,88 ienes, de 109,73 ienes do dia anterior; o euro caiu para US$ 1,1147 de US$ 1,1217; e a libra subiu para US$ 1,2758 de US$ 1,2748. A moeda britânica foi impulsionada depois que alguns funcionários do Baco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) terem ficado surpreendentemente hawkish em sua última reunião.
O dólar saltou desde que o Fed emitiu uma mensagem otimista sobre a economia dos EUA ao final da sua última reunião política na quarta-feira. O banco central elevou as taxas de juros e manteve sua projeção de mais um aumento de taxa neste ano, apesar de uma recente desaceleração da inflação.
"A vontade dos funcionários de superar a recente fraqueza econômica e a suavidade dos preços é importante", disseram analistas da Brown Brothers Harriman, em relatório. "O Fed já não está preocupado com a recuperação e a expansão."
O dólar subiu mais fortemente em relação às moedas dos mercados emergentes, que muitas vezes ficam sob pressão quando as taxas dos EUA aumentam. A divisa americana subiu para 57,894 rublos de 57,496 rublos, por exemplo. Ainda assim, alguns investidores continuam céticos com a possibilidade do Fed aumentar as taxas novamente neste ano.
Os futuros do Fed funds, uma ferramenta popular para apostar nas perspectivas da política monetária do Fed, mostram menos de 50% de chance de o Fed aumentar as taxas novamente este ano, de acordo com o CME Group. O dólar caiu menos de 0,1% contra a libra britânica, que foi impulsionada depois que alguns funcionários do Bank of England terem ficado surpreendentemente hawkish em sua última reunião. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia