Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de junho de 2017. Atualizado às 14h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

14/06/2017 - 14h04min. Alterada em 14/06 às 14h39min

Itaú projeta avanço de 0,1% no PIB em abril ante março

Dados preliminares sugerem queda nas vendas no varejo, sinalizando para leve retração do Pibiu

Dados preliminares sugerem queda nas vendas no varejo, sinalizando para leve retração do Pibiu


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O Pibiu, como é chamado o indicador do Itaú Unibanco que faz uma estimativa da variação do Produto Interno Bruto (PIB) num mês, ficou praticamente estável no quarto mês deste ano em relação a março, atingindo alta de 0,1%, com ajuste sazonal. O indicador também subiu (0,4%) no trimestre concluído em abril no confronto com o primeiro trimestre do ano, conforme relatório do banco.
Já em relação ao quarto mês de 2016, sem ajuste, o Pibiu caiu 1,4%, voltando a recuar após o primeira expansão em 23 meses, observada em março. Para maio, a instituição adianta que dados preliminares sugerem queda nas vendas no varejo, sinalizando para leve retração do Pibiu mensal. "Os dados apontam para um crescimento no segundo trimestre mais fraco que no primeiro", escrevem os economistas Felipe Monteiro de Salles e Alexandre Gomes da Cunha.
No dado de abril, ressalta o banco, houve queda em seis dentre os dez componentes do Pibiu, apesar da estabilidade registrada na comparação mensal dessazonalizada. A maior queda ocorreu no indicador de construção civil, de 1,8%, enquanto o de comércio foi o que apresentou maior alta, de 1,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia