Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de junho de 2017. Atualizado às 10h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 14/06 às 10h32min

Taxas futuras de juros caem pressionadas pelo dólar

As taxas futuras de juros passaram a cair nesta quarta-feira (14) em sintonia com o dólar, após oscilarem próximas dos ajustes de terça-feira (13) nos primeiros negócios. A pressão de baixa sobre a moeda norte-americana acompanhou o enfraquecimento do dólar no exterior em relação a divisas principais, após a divulgação de dados ruins de inflação ao consumidor e de vendas no varejo em maio nos Estados Unidos. Às 9h34min, o dólar à vista registrou mínima, com queda de 0,40%, aos R$ 3,2956. O dólar para julho recuava 0,65%, aos R$ 3,3080.
Às 9h34min, o DI para janeiro de 2018 estava em 9,175%, na mínima, de 9,195% no ajuste de terça. O DI para janeiro de 2019 caí a 9,20%, de 9,24% no ajuste de terça. O DI para janeiro de 2021 estava a 10,31%, na mínima, ante 10,36% do ajuste de terça. Já o dólar à vista registrava mínima, com queda de 0,40%, aos R$ 3,2956. O dólar para julho recuava 0,65%, aos R$ 3,3080.
Os agentes de renda fixa aguardam novidades na esfera política e o desfecho da reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), às 15 horas (de Brasília). Em razão do feriado de quinta-feira (15).
Também estão na expectativa pelo leilão de venda de títulos do Tesouro, que foi antecipado para esta quarta-feira em razão do feriado de quinta. Serão ofertadas e LTN e LFT, com acolhimento das propostas das 11 horas às 11h30min.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia