Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de junho de 2017. Atualizado às 09h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/06 às 09h06min

Petróleo opera em queda, pressionado por relatório da AIE

Os contratos futuros de petróleo operam em queda na manhã desta quarta-feira, após o relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) revigorar o temor de excesso de oferta no mercado de energia.
Às 8h50 (de Brasília), o petróleo WTI para julho caía 0,90%, a US$ 46,04 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Na IntercontinentalExchange (ICE), em Londres, o Brent para agosto recuava 0,68%, para US$ 48,39 por barril.
Os investidores de petróleo reagem negativamente ao relatório da AIE. A instituição informou que a oferta global de petróleo subiu 585 mil barris por dia (bpd) em maio, para 96,69 milhões de bpd.
O número foi puxado por aumento da exploração dentro e fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), notadamente nos Estados Unidos, na Líbia e na Nigéria.
"Este foi um relatório bastante ruim para os preços do petróleo. A Opep pode ter de repensar sua estratégia de tentar verbal e artificialmente elevar os preços do barril, porque a produção dos Estados Unidos está muito resiliente", afirmou, em nota enviada a clientes, o analista do Commerzbank Eugen Weinberg.
Os investidores de petróleo aguardam ainda os dados do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, que irá informar às 11h30 os estoques semanais da commodity no país. A expectativa é de queda na quantidade estocada. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia