Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de junho de 2017. Atualizado às 00h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 08/06/2017. Alterada em 08/06 às 00h15min

Inadimplência do consumidor recua 3,8%

Cenário de crise contribui para que os brasileiros diminuam os gastos

Cenário de crise contribui para que os brasileiros diminuam os gastos


/SANDY HUFFAKER/GETTY IMAGES/AFP/JC
A quantidade de pessoas que deixaram de pagar contas em maio cedeu 3,8% em relação a abril, mas avançou 6,7% na comparação com maio de 2016, mostram dados dessazonalizados da Boa Vista SCPC.
Já na medição do acumulado em 12 meses (junho de 2016 até maio deste ano), houve queda de 3,4% em relação ao período equivalente anterior. No acumulado do ano até maio, a inadimplência caiu 0,2% ante igual período de 2016.
Entre as regiões do País, o destaque ficou para os recuos de 9,6% no Norte e 5,1% no Sudeste, ambos no período mensal. No Nordeste, houve retração de 4,8%, enquanto no Centro-Oeste a queda foi de 2,7%. A exceção ficou com a região Sul, que registrou crescimento de 3,5% na mesma base de comparação. Já na comparação com maio do ano passado, entretanto, houve crescimento nas regiões Sul (14,9%), Sudeste (8,7%) e Centro-Oeste (6,5%), enquanto houve queda no Norte (-6,4%) e Nordeste (0,9%).
"Adversidades ocorridas na economia ao longo dos últimos dois anos geraram grande cautela nas famílias, inibindo o consumo e consequentemente contribuindo para a diminuição do fluxo de inadimplência", avalia a Boa Vista em nota. Para o restante do ano, a instituição espera que a inadimplência mantenha um ritmo estável a partir de uma retomada "sustentável" da demanda por crédito, em função das perspectivas de "pequeno crescimento da economia e renda, juros menores e inflação controlada".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia