Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de junho de 2017. Atualizado às 13h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

Alterada em 07/06 às 13h42min

Kroton já admite abrir mão de 200 mil alunos

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) quer a venda da marca Anhanguera e de ativos ligados à faculdade para aprovar a fusão entre Kroton e Estácio, afirmam fontes. Diante de novas exigências feitas pelo conselho, a Kroton já admite vender um pacote que corresponde a cerca de 200 mil alunos, entre matriculados em cursos presenciais e à distância.
A contraproposta da Kroton está sendo analisada pelos conselheiros do Cade. Na semana passada, o Cade negociava a venda de 10% do corpo discente do grupo, o que corresponderia a cerca de 150 mil alunos. Mas o conselho queria outras ações, entre elas a alienação de marcas e o compromisso de que a Kroton mantenha a qualidade da Estácio nas faculdades do grupo. Os representantes da empresa estão irredutíveis neste último ponto porque os cursos da Kroton têm avaliação pior do que os da Estácio e o custo para manter a qualidade seria elevado.
Diante do impasse, a conselheira Cristine Alkmin pediu ontem a prorrogação do prazo por mais 30 dias - a operação tem agora de ser analisada até 27 de julho. E, segundo as mesmas fontes, colocou como exigência para o acordo a venda da marca Anhanguera e de parte dos ativos da faculdade do grupo.
A tendência é que o Cade não abra mão da obrigação de venda da marca porque os conselheiros entendem que o nome é importante para manter e captar novos alunos. O conselho também espera a venda de um pacote grande de matrículas presenciais, e não apenas de alunos de cursos à distância, como defendia a Kroton inicialmente. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia