Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 10h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 05/06 às 10h08min

Dólar sobe com exterior e cautela em relação à crise política

O dólar opera em alta moderada no mercado doméstico, após uma abertura com sinais mistos, precificando a valorização da moeda norte-americana na manhã desta segunda-feira (5) no exterior em meio à queda do petróleo e das bolsas internacionais, além de cautela antes do julgamento da chapa Dilma-Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral, que começa na terça.
Na política, preocupam os investidores a possibilidade de delações premiadas de Rodrigo Rocha Loures, após a sua prisão no sábado, e do ex-ministro petista Antônio Palocci, além do início do julgamento da chapa Dilma-Temer, na terça, que poderá cassar o mandato do presidente.
Embora haja expectativas de que um pedido de vista adie a conclusão do processo, os investidores seguirão atentos às notícias sobre o julgamento e a decisão da Executiva do PSDB de sair ou não da base aliada do governo Temer.
Às 9h52min, o dólar à vista registrou máxima aos R$ 3,2652 (+0,34%). O dólar futuro para julho estava na máxima, em alta de 0,54%, aos R$ 3,2850. Lá fora, no mesmo horário, o petróleo em Londres caía 0,48%, a US$ 49,50 por barril, enquanto em Nova Iorque o petróleo WTI recuava 0,42%, a US$ 47,26 por barril.
A commodity reage a declarações de autoridade da Opep de que as tensões causadas pela decisão hoje de quatro países árabes - Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Bahrein - de romper relações diplomáticas com o Reino do Catar não afetará o acordo global para conter a produção de petróleo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia