Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de junho de 2017. Atualizado às 23h31.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 27/06/2017. Alterada em 26/06 às 21h31min

Caminhada para o Piratini

José Fogaça

José Fogaça


GILMAR FELIX/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Para o deputado federal José Fogaça (PMDB), ex-prefeito de Porto Alegre e ex-senador, a tendência natural para o governo do Estado é realmente o governador José Ivo Sartori (PMDB) concorrer à reeleição. Segundo o parlamentar, "isso não tem como escapar, ele próprio não tem. Mesmo que ele queira, ou não queira, ele não teria muita alternativa além de concorrer". Na avaliação de Fogaça, "primeiro, é natural que o governador o faça; segundo, pela ausência de alternativas com esse cenário que está aí". Quanto a uma coligação com o PP, José Fogaça acha que "aí é uma questão mais complicada. Obviamente que há uma afinidade construída agora no governo, mas depende muito também do quadro nacional, embora isso tenha pouca influência no Rio Grande do Sul, nas decisões políticas do Rio Grande do Sul. Tanto que, nos últimos anos, nós sempre fomos independentes da tendência nacional", assinalou.
PP com candidato próprio
José Fogaça acha que o PP, "dependendo do que eles tiverem, digamos, no quadro político, poderá até lançar candidato próprio. Então isso ainda é uma incógnita, é uma questão a ser resolvida. Não é tão automático assim, na minha opinião, como não foi aqui em Porto Alegre. Deveria quase ter sido natural, e não foi".
Candidato próprio do PSDB?
Sobre a posição do PSDB, o deputado acredita que "dificilmente sai com candidato. Tem que ver a posição daquele ex-prefeito de Pelotas, aquele rapaz". Ele se refere a Eduardo Leite. Para Fogaça, "o quadro político vai abrir um cenário mais definido, eu acho que no ano que vem. E aquela coisa, o novo é melhor do que o antigo, independentemente da experiência", comentou. A deputada federal e ex-governadora Yeda Crusius (PSDB) afirmou que o candidato do PSDB ao Piratini é o ex-prefeito de Pelotas, Eduardo Leite. José Fogaça lembrou também que Mário Jorge deve ser o candidato do PDT. Sua base principal é a Região Metropolitana. Ele tem o apoio de Ciro Gomes, que deverá ser o candidato ao Palácio do Planalto pelo partido. Já o candidato do PT ao Piratini, segundo parlamentares, deverá ser o ex-governador Tarso Genro. Fogaça alerta que o quadro político ainda está para se definir, ele não se completou ainda. "Não que o Sartori dependa do quadro nacional, mas o quadro nacional tem um contorno mais definido, em que situação estaremos? Que situação teremos pela frente? Para poder, daí, se posicionar diante de tudo isso", concluiu.
Mapas na mesa
Fogaça argumenta: "não que o Sartori vá seguir, ou vá se subordinar. Ele precisa só saber o que vai acontecer. Tem que ter os papéis, tem que botar os mapas em cima da mesa e fazer uma avaliação". E ressalta que a análise feita pela coluna Repórter Brasília da sexta-feira "é sensata e correta. Porque, digamos assim: se tu olhar o quadro nesse momento, essa é a tendência mais natural e mais forte. Dentre todas as tendências que estão aí, essa do Sartori concorrer e ter uma configuração de acordo com o PP e possivelmente com o PSB é a mais natural, e a mais indicada, inclusive, neste momento", avalizou o parlamentar e experiente político gaúcho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia