Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de junho de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Marco A. Birnfeld

Espaço Vital

Notícia da edição impressa de 06/06/2017. Alterada em 05/06 às 20h17min

'Misoginia' contra a mulher deputada

Os vídeos postados pelo apresentador Danilo Gentili com críticas à deputada federal Maria do Rosário Nunes, 50 de idade, (PT-RS) devem ser retirados das redes sociais. A decisão que concede efeito suspensivo a agravo é do desembargador Túlio Martins, da 10ª Câmara Cível do TJ-RS, ao deferir pedido da parlamentar.
Conforme a ação que também busca indenização por dano moral, Gentili - ao receber uma notificação remetida pela Câmara dos Deputados - gravou um vídeo em que rasga o documento, colocando os pedaços dentro das calças e depois novamente no envelope, com indicações ofensivas e obscenas e, alegadamente "também, com incitação ao ódio e violência contra a autora".
O fato anterior da quizila foi uma notificação para que Gentili cessasse "a postagem de notícias falsas a respeito da filha da parlamentar, menor de idade". Seguiu-se a ação judicial. Na 12ª Vara Cível de Porto Alegre, o juiz Juliano da Costa Stumpf indeferiu a retirada dos vídeos. Fundamentou que "as atitudes gravadas pelo réu, mesmo consideradas de baixo nível, não autorizam, desde logo, a formação de juízo de valor no sentido de reconhecer a existência de violação da honra e da imagem da autora, enquanto parlamentar e cidadã". Para o juiz de primeiro grau, "o conteúdo do vídeo está mais a indicar o desprezo do réu pelas instituições".
O desembargador Túlio Martins, relator do recurso, avaliou que "o vídeo veiculado nas redes sociais é de natureza misógina, representando agressão despropositada a uma parlamentar e às instituições, materializando-se virtualmente em crime que, se for o caso, deverá ser apurado em instância própria". A misoginia é definida em obras de psiquiatria como "desprezo, e aversão pelas mulheres, repulsa mórbida do homem ao contato com o sexo oposto".
Para o magistrado, a deputada foi agredida e humilhada: "O conteúdo apresentado naquilo que seria um vídeo humorístico não é notícia, nem informação, nem opinião, nem crítica, nem humor, mas apenas agressão absolutamente grosseira marcada por prepotência e comportamento chulo e inconsequente". (Proc. nº 70073953150).

Olá, viajante!

Se você está pensando em tirar seu primeiro visto norte-americano, é bom saber que as coisas postadas ou curtidas nas redes sociais podem depor contra o interessado.
A partir de agora o consulado norte-americano pode solicitar, dos pretendentes aos vistos, os perfis sociais para ajudar a liberar a entrada na terra do Tio Sam.

Distância dos turistas

O jornal britânico The Independent divulgou uma lista de oito destinos que odeiam ou rejeitam os turistas. São os que seguem: Ilhas da Tailândia, Barcelona, Amsterdã, Butão, os "onsen" do Japão (um banho público termal tradicional da cultura japonesa, onde é proibida a entrada de quem tiver tatuagens no corpo), Ilha de Santorini (Grécia), Cinque Terre (Itália) e River Legacy Park, em Arlington (Texas, EUA).
A lista não tem nenhum lugar da América Latina.

Romance forense: Os descontos do dia e a justa causa

Charge Vital


REPRODUÇÃO/JC
Início do ano letivo em faculdade, o professor de Direito do Trabalho explica seus métodos de ensino. Diz que exige respeito, silêncio e assiduidade em suas aulas e promete que - pelo menos uma vez por mês - para descontrair contará "algum caso curioso, às vezes extraído do Espaço Vital, mas sempre relacionado com questões trabalhistas".
Última semana de maio, o mestre conta uma história espirituosa, não extraída daqui, mas que - pelas gargalhadas universitárias que arranca - tem hoje guarida nesta página.
* * * *
Era uma noite quente do verão porto-alegrense, um homem entra em um bar da moda, senta-se junto ao balcão e pede a sua cerveja favorita.
- Certamente, senhor, aqui está! Isso vai custar R$ 5,00, em dinheiro. Não aceitamos cartões!
- Só isto? - pergunta o cliente surpreso.
O atendente confirma, dizendo ser "a promoção do dia". O cliente toma a cerveja e pergunta:
- Algum preço promocional para um filé com fritas?
- Certamente, senhor. Uma refeição preciosa por apenas R$ 20,00, com o pagamento em espécie.
Jantar saboreado, o cliente pergunta:
- Onde está o dono deste estabelecimento? Gostaria de conhecê-lo.
- Impossível! Ele está no andar de cima, com a minha mulher.
- O que ele está fazendo com ela?
- O mesmo que estou fazendo com negócio dele! - arremata o atendente.
 

Esses desconhecidos

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas revela o desconhecimento absoluto do brasileiro diante do ministério de Michel Temer.
Dentre todos os entrevistados pela pesquisa, 86% revelaram não ter conhecimento do nome nem de dois ministros do atual governo.

A confidencialidade de Fátima

Ao estourar o escândalo da propina bilionária de Joesley Batista, as reações de duas celebridades dos comerciais das marcas da JBS foram diferentes. Tony Ramos logo informou que "não há mais clima para anúncios da Friboi", e acionou advogados para romper o contrato. Fátima Bernardes silenciou até sexta-feira passada, quando admitiu em nota: "Não sou mais garota-propaganda da marca Seara. Mas uma cláusula de confidencialidade me impede de dar detalhes sobre o fim do contrato".
Aos poucos, Fátima também se abre sobre o fim de seu casamento de 26 anos com William Bonner. "Ficamos tristes. Quem não ficaria? Passamos por um processo de luto, e ele chegou ao fim", revelou à revista Claudia, que estará nas bancas na próxima sexta-feira. A artista também disse que "um novo relacionamento não é prioridade - afinal, a gente não sabe quando vai se interessar por alguém".

A morte dupla

O ex-presidente Lula ajuizou, na sexta-feira passada, ação reparatória por dano moral contra a Editora Abril e os jornalistas (Daniel Pereira e Robson Bonin) responsáveis pela matéria de capa da edição (nº 2.530) de 17 de maio, que trouxe a imagem de Marisa Letícia, com a manchete "A Morte Dupla".
A chamada resumia que "em seu depoimento ao juiz Moro, Lula atribui as decisões sobre o tríplex no Guarujá à ex-primeira-dama, falecida há três meses".
Segundo a petição inicial, "a matéria insinua que Lula seria o responsável pela morte de sua falecida esposa ao incriminá-la durante seu depoimento". A ação reparatória sustenta que o ex-presidente Lula jamais atribuiu à mulher a prática de qualquer ato ilícito.

Milhares de 'enrolados'

Os números são assustadores. Com base nos critérios do Grupo de Ação Financeira Internacional, a consultoria AML Consulting montou um banco de dados de pessoas e empresas envolvidas em crimes patrimoniais, como corrupção, roubo, fraude e sequestro. De 714 mil perfis do banco de dados, localizou 307 mil indivíduos e empresas suspeitas.
Entre os "enrolados" no Brasil, estão 29 mil pessoas expostas politicamente (PEPs); destas, 10.523 são atuais e ex-autoridades e dirigentes de estatais. Na relação, há ainda 18.616 familiares, ascendentes, amigos, secretárias e empresas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia