Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de junho de 2017. Atualizado às 23h42.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 23/06/2017. Alterada em 22/06 às 21h21min

A tomada de Porto Alegre I

joel vargas/PMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Podem chamar de ocupação, se é para obedecer ao politicamente correto, mas dá no mesmo. Aos poucos, não só o Centro Histórico, mas também avenidas da Capital como a Independência foram tomadas pelos camelôs, que expõem suas tralhas sem cerimônia no que antigamente era chamado de passeio público. Não é mais, hoje é vitrine horizontal. Mesmo que seja na boca do comércio formal, que ainda resiste mal e porcamente.

A tomada de Porto Alegre II

Nas imediações da rua Barros Cassal um camelô se deu ao luxo de distribuir na calçada módulos de vestuário masculino, feminino e infantil. Enquanto isso, lojas estabelecidas vão fechando as portas. Na Voluntários da Pátria, comerciantes formais palestinos e árabes já acusam o golpe; lojas de chineses também vem fechando por conta da concorrência dos informais, abastecidas por centrais poderosas.

A tomada de Porto Alegre III

A situação chegou a um ponto tal que só falta os invasores pedirem a expulsão dos comerciantes formais. E quem se rebela a esse status quo é imediatamente rotulado de "preconceituoso". Deficientes físicos e visuais têm dificuldades em caminhar na área central e a culpa é dos lojistas "que expõem seus produtos nas ruas". Esse despautério acontece nas barbas da administração municipal, que começa a dar sinais de reação.

A tomada de Porto Alegre IV

Agora não vai ser fácil tirar os ambulantes do Centro (foto acima). Uma prova disso foi o confronto no final da tarde desta quinta-feira com a Guarda Municipal no Largo Glênio Peres. Parte das mercadorias foi apreendida. Dois foram detidos. A Brigada Militar apoiou a operação e dispersou o grupo, que colocou fogo em caixotes de madeira, interrompendo o trânsito nas avenidas Júlio de Castilhos e Mauá. A EPTC desviou o trânsito na região e algumas linhas de ônibus foram afetadas.

Sem café

Uma senhora que mora no Centro Histórico de Porto Alegre preparou um café da manhã caprichado com direito até a bolo, embalou tudo numa bandeja fechada de plástico e resolveu presentear um senegalês a quem conhecia de vista. O rapaz recusou. "Djedjum", repetia. Demorou para cair a ficha da mulher. Só depois de várias negativas ela se deu conta que era o período sagrado muçulmano, o Ramadã.

Hélio, o ingênuo

O senador Hélio José (PMDB-DF), que votou contra a reforma trabalhista, subiu nas tamancas porque o presidente Michel Temer demitiu três pessoas indicadas por ele para CCs na administração direta. Mas sua excelência queria o quê? Uma condecoração? No tempo das boates, dizia-se de pessoas como ele "não dança nada e quer luz negra".

Administração por placas


BETO RODRIGUES/DIVULGAÇÃO/JC
Em vez de colocar placas informando os motoristas sobre buracos na avenida Paraguassú, não seria mais prático a prefeitura de Xangri-lá tapá-los? Posto como está, como fala o povo, tira o seu da reta, como a dizer depois para quem cai em um: "eu avisei, não avisei?"
 

Moda de cafeteria

No auge de fervura da gravação em que Joesley Batista deixou o presidente Michel Temer (PMDB) em palpos de aranha, as cafeterias e bares que tinham telão mostravam um fenômeno novo. Os fregueses paravam a conversa e se voltavam para as imagens da cobertura. Hoje, o interesse é mínimo. Afinal, é mais do mesmo.

Miúdas

  • NOVE entre as 10 melhores empresas aéreas do mundo são asiáticas. A única não asiática é a alemã Lufthansa.
  • QATAR Airways ponteia a lista. O gaúcho Robson de Oliveira é um dos comandantes da empresa.
  • PORTO Alegre é o máximo. Casal foi a um restaurante de comida mexicana e comeu (boa) comida mineira.
  • EM COMPENSAÇÃO, a capital gaúcha não tem uma casa que sirva essencialmente comida campeira de verdade.
  • DEPOIS das sessões ao vivo do STF, todo filme longuíssima metragem é rebaixado para curta.
  • SERÁ que algum ministro do Supremo revê a gravação em casa para ver como foi seu desempenho?
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia