Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de maio de 2017. Atualizado às 14h28.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

stf

Alterada em 31/05 às 14h32min

Ministro Marco Aurélio será relator de inquérito sobre Aécio no STF

Caberá ao ministro deferir ou não diligências solicitadas pela PGR e analisar recursos das defesas

Caberá ao ministro deferir ou não diligências solicitadas pela PGR e analisar recursos das defesas


NELSON JR/SCO/STF/JC
Folhapress
O ministro Marco Aurélio Mello será o relator do inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) que investiga o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) no âmbito da delação da JBS. O nome de Mello foi sorteado após o relator anterior, Edson Fachin, desmembrar o caso da apuração que envolve o presidente Michel Temer e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).
O tucano é suspeito dos crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e participação em organização criminosa. Ele nega as acusações. 
Aécio aparece, segundo as investigações, em gravação pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, sócio da JBS e delator. A quantia foi entregue posteriormente a um primo do tucano, em ação filmada pela Polícia Federal.
No inquérito, além de Aécio, também estão sendo investigados Andrea Neves, sua irmã, Frederico Pacheco, seu primo, e Mendherson Souza Lima, assessor do senador Zezé Perrela. Todos esses foram presos em 18 de maio.
No despacho em que determinou o fatiamento do inquérito, Fachin escreveu que, segundo a Procuradoria-Geral da República, o senador afastado usou o cargo para atuar em benefício da J&F, a holding da JBS, além da ingerência do PSDB em assuntos governamentais.
Caberá ao novo relator deferir ou não diligências solicitadas pela PGR e analisar recursos das defesas, como o da retomada do mandato por Aécio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia