Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de maio de 2017. Atualizado às 23h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 31/05/2017. Alterada em 30/05 às 20h01min

STJ rejeita passar Argôlo ao semiaberto

O ex-deputado Luiz Argôlo (SDD-BA), condenado a 11 anos e 11 meses de prisão, em regime fechado, no âmbito da Operação Lava Jato, recebeu uma negativa do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para migrar para o semiaberto. O ministro Felix Fischer, relator da Lava Jato na Corte, entendeu ser "prematura" a concessão de liminar. 
Segundo a sentença do juiz federal Sérgio Moro, Argôlo recebeu R$ 1,4 milhão de propinas em esquemas entre empreiteiras do cartel da Petrobras e a Diretoria de Abastecimento da estatal. Além da reclusão, a pena ainda impõe ao ex-deputado a devolução de R$ 1 milhão aos cofres públicos. Ele recorreu da pena ao Tribunal Regional da 4ª Região, que manteve a condenação imposta por Moro.
Com a negativa da liminar, o mérito do pedido de habeas corpus será analisado pela Quinta Turma do STJ. A defesa de Argôlo não foi localizada pela reportagem.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia