Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de maio de 2017. Atualizado às 22h25.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara de porto alegre

Notícia da edição impressa de 30/05/2017. Alterada em 29/05 às 21h01min

Em reunião tensa, parecer sobre reposição é acatado

Carlos Villela, especial para o JC
A reunião conjunta de comissões da Câmara de Porto Alegre para decidir sobre o projeto que cria uma nova forma de reposição salarial para servidores da prefeitura, que teve continuidade na manhã desta segunda-feira, após pedidos de diligência na quarta-feira passada, foi marcada por uma tensão interna.
O parecer do relator Luciano Marcantônio (PTB) foi aprovado pelos membros das comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Economia, Finanças, Orçamento e do Mercosul (Cefor), e rejeitado pela comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab). Vereadores da oposição, como Sofia Cavedon (PT) e Fernanda Melchionna (PSOL), criticaram o projeto e o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), com o apoio de membros do Sindicato dos Municipários (Simpa).
O vereador Prof. Alex Fraga (PSOL) contestou a ausência da Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana (Cedecondh) na reunião, afirmando que decisões que afetam o funcionalismo deveriam invariavelmente ter atuação do órgão técnico do qual faz parte, e disse que teria sido deliberadamente excluído do debate.
O projeto determina que vencimentos, vantagens de remuneração e funções gratificadas sejam revistos em maio de cada ano, estabelecendo que a reposição salarial dos servidores será de acordo com a inflação até a medida do que o município dispõe no orçamento.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia