Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de maio de 2017. Atualizado às 13h41.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 26/05 às 13h43min

Irmã e primo de Aécio Neves se calaram em depoimento à PF

Folhapress
A irmã e o primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG) ficaram em silêncio durante depoimento à Polícia Federal na semana passada.
Andrea Neves e Frederico Pacheco foram presos na operação Patmos, desdobramento da Lava Jato com base na delação premiada dos executivos da JBS.
Procuradores da Lava Jato acompanharam os depoimentos, tomados na quinta (18) na superintendência da PF em Belo Horizonte.
Eles fizeram algumas perguntas a Andrea, tais como sobre seu relacionamento com Joesley. Os investigadores quiseram saber há quanto tempo ela o conhece e se o encontrou em fevereiro para pedir R$ 2 milhões a pretexto de pagar honorários advocatícios.
Também perguntaram se Andrea agendou um encontro entre o senador e o empresário em um hotel no fim de março e sobre uma mensagem trocada com Joesley.
Joesley encontrou Aécio no hotel Unique, em São Paulo. Ele gravou a conversa às escondidas. O senador diz, entre outras coisas, que o presidente Michel Temer lhepediu que retirasse o pedido de cassação da chapa formada com Dilma Rousseff em 2014 e que corre no TSE (Superior Tribunal Eleitoral).
Ela também foi questionada sobre a programação para a entrega dos valores das parcelas de R$ 500 mil para Frederico por intermédio de um executivo da JBS.
A Frederico, os investigadores questionaram, entre outras coisas, quem entrou em contato com ele para que retirasse uma mala na sede JBS em São Paulo e se tinha conhecimento do que havia dentro.
Também perguntaram quantas viagens ele realizou e quantas malas de dinheiro Ihe foram entregues na empresa.
Ele tampouco fez algum comentário quando lhe mostraram imagens do circuito interno da JBS registrando o seu trânsito na companhia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia