Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 19h16.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 22/05 às 19h20min

Contratado por Temer, Molina diz que áudio de Batista é 'prova imprestável'

Folhapress
Advogados do presidente Michel Temer encomendaram análise do perito Ricardo Molina sobre o grampo feito pelo empresário Joesley Batista, da JBS. O laudo afirma que a gravação é "prova imprestável para fins judiciais".
O perito diz que o áudio contém dezenas de pontos de descontinuidades, pontos de clipping e ruídos de mascaramentos. "Em qualquer processo corriqueiro esse tipo de gravação é descartado por possuir demasiados indícios de possível edição."
Segundo Molina, para além do que ele chama de "indícios muito consistentes de edição", "vale lembrar que grande parte da gravação, mais especialmente no que diz respeito às falas do presidente, é ininteligível, dificultando, quando não impossibilitando a definição inequívoca dos contextos de cada fragmento".
A reportagem teve acesso a uma versão preliminar do laudo de Molina. A versão final do estudo é apresentado nesta segunda (22) pelos advogados do presidente e o próprio perito.
Na última sexta (19), a Folha de S.Paulo publicou laudo do perito Ricardo Caires dos Santo, que apontava mais de 50 pontos de edição no grampo feito por Joesley.
O jornal "O Estado de S. Paulo" também encomendou perícia e publicou que o especialista encontrou 14 pontos de edição no áudio.
Indício mais alardeado do arsenal da JBS contra o presidente, o áudio de Joesley agora será periciado pela Polícia Federal. O órgão diz que não há prazo para concluir a análise.
Formado em fonética forense na Unicamp, Molina fez laudos como perito em vários casos de grande repercussão, como a análise de uma gravação em 1991 em que Antonio Magri, ministro do Trabalho no governo Collor, admitia ter recebido propina e a investigação da morte de PC Farias. Ele é especializado em perícias para atestar a autenticidade de gravações de áudio e vídeo, análise de documentos e de evidências criminais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia