Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 15h30.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

22/05/2017 - 15h26min. Alterada em 22/05 às 15h30min

Joesley pede e Justiça adia seu depoimento no inquérito da Operação Bullish

A Justiça adiou o depoimento do executivo Joesley Batista, da JBS, marcado inicialmente para esta segunda-feira (22) no inquérito da Operação Bullish - investigação sobre financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) ao grupo.
O adiamento foi autorizado pelo juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10.ª Vara Federal na sexta-feira (19) a pedido do próprio Joesley e de outros três delatores do Grupo, Wesley Mendonça Batista, Francisco de Assis e Silva e Ricardo Saud, que também seriam ouvidos pela PF.
Joesley está residindo em Nova Iorque, para onde se mudou depois que fechou acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. O executivo é o pivô da maior crise do governo Temer. Ele gravou conversa com o presidente na noite de 7 de março no Palácio do Jaburu.
Temer alega que o áudio foi manipulado e adulterado. Sua defesa pediu uma perícia na gravação, que será realizada pelo Instituto Nacional de Criminalística - órgão central de perícias da Polícia Federal.
O juiz Ricardo Leite entendeu "necessária a manifestação do Ministério Público Federal do Distrito Federal sobre o pedido" e determinou o adiamento do depoimento de Joesley e dos outros três executivos da JBS.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia