Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de maio de 2017. Atualizado às 22h31.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 17/05 às 22h37min

No dia da gravação, Temer fez reunião com empresários

O presidente Michel Temer teve uma agenda cheia, incluindo uma reunião do Conselhão, no dia em que o empresário Joesley Batista, dono da JBS, teria gravado conversa com o peemedebista na qual este fala de "comprar o silêncio" do deputado cassado Eduardo Cunha. Joesley, apesar de ter sido membro do grupo durante a gestão da petista Dilma Rousseff, não faz parte do grupo montado por Temer.
Segundo a agenda oficial do dia 7 de março, além da reunião com o grupo de empresários, Temer recebeu o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e com Alexandre de Moraes, que ainda não havia assumido o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal. No mesmo dia, Temer participou de cerimônia de posse dos ministros da Justiça, Osmar Serraglio, e das Relações exteriores, Aloysio Nunes Ferreira. Temer teve ainda nesta data reunião do Conselho de Programa de parcerias de Investimentos (CPPI).
"Tem que manter isso, viu?", disse o presidente Michel Temer (PMDB) sobre mesada milionária ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB), segundo revelou o executivo Joesley Batista, do Grupo JBS. A informação foi revelada com exclusividade pelo jornalista Lauro Jardim, no site do jornal O Globo. Joesley diz ter gravado conversa com Temer na noite de 7 de março durante reunião de cerca de 40 minutos no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia