Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de maio de 2017. Atualizado às 15h27.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

partidos

12/05/2017 - 13h13min. Alterada em 12/05 às 15h30min

Eduardo Suplicy avalia acesso à justiça no Brasil e defende eleições gerais em outubro

Suplicy comentou o que viu quarta-feira em Curitiba e afirma esperar que o juiz Moro tome uma decisão imparcial e justa

Suplicy comentou o que viu quarta-feira em Curitiba e afirma esperar que o juiz Moro tome uma decisão imparcial e justa


JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO/ARQUIVO/JC
Bruna Oliveira
De passagem no Rio Grande no Sul para participar do 1º Seminário Internacional do Centro Brasileiro de Pesquisas sobre a Teoria da Justiça de Amartya Sen, em Passo Fundo, o ex-senador e vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT) participa nesta sexta-feira (12) de atividades que debatem as políticas públicas de combate à desigualdade. 
Suplicy conversou por telefone com o Jornal do Comércio logo que desembarcou no município gaúcho, no final desta manhã. Ele avaliou o acesso à justiça no Brasil, tema de sua fala hoje à noite, e comentou sobre o momento político brasileiro, defendendo a realização de eleições gerais em outubro.
O seminário em Passo Fundo é promovido pelo Centro Brasileiro de Pesquisas sobre a Teoria da Justiça de Amartya Sen e o Programa de Pós-Graduação em Direito da Imed. O evento tem como tema geral Direito à alimentação, políticas públicas e combate à desigualdade social.
Jornal do Comércio - Qual o tema da sua participação em Passo Fundo? 
Eduardo Suplicy – Eu sou convidado para falar da perspectiva de justiça. Quais os princípios de justiça e de valores que devemos levar em consideração para a escolha dos instrumentos de política econômica que possam elevar o grau de justiça na sociedade. Vou mencionar os princípios elaborados por John Rawal, de Igual Liberdade, de diferença de igualdade e de oportunidade, e vou recordar a contribuição de prêmio Nobel de economia Amartya Sem, que é um dos economistas mais brilhantes. Se nós provermos boas oportunidades de educação para todas as crianças, todos os jovens, para os adultos e para os adultos que não tiveram boas oportunidades quando eram crianças, estaremos elevando o grau de justiça. Se provermos assistência à saúde para toda a população, seja urbana, seja no campo, se estimularmos as formas cooperativas de economia solidária, se aumentarmos as oportunidades de microcrédito na sociedade, nós estaremos elevando o grau de justiça. Vamos analisar as transferências de renda, seja nas aposentadorias, que estão sendo objeto de debate no Congresso Nacional, seja no seguro-desemprego, no benefício continuado do programa Bolsa Família, e na renda básica de cidadania, proposição da qual eu sou autor, que foi sancionada em 2004 e só falta implementar.
JC - Como o senhor avalia o “grau de acesso à justiça” neste momento político atual?
Suplicy - Eu tenho uma preocupação... hoje faz um ano que Michel Temer assumiu a presidência, e eu sou testemunha de como ele comungava com os propósitos da candidata a presidente Dilma Rousseff na campanha de 2014. Eu estranho muito que ele assuma a Presidência para realizar um programa de governo muito diferente daquele que ele defendia no palanque ao lado de Dilma. Eu acho que precisamos ter eleições diretas para presidente da República em outubro. Seria a forma de pacificar e unificar o País. Está na hora de nós termos um relacionamento de mais respeito e de menos xingamentos entre os brasileiros.
JC - O senhor esteve em Curitiba acompanhando o depoimento de Lula.
Suplicy - Eu participei do ato na Praça Santos Andrades, mas precisei sair para pegar o avião de volta e não encontrei Lula. Mas, sim, falei lá a respeito da confiança que eu tinha de que o ex-presidente esclareceria todos os pontos que seriam perguntados. Eu senti um clima favorável e de muito apoio ao Lula, de pessoas de todos os estados brasileiros.
JC - Acredita que há chances do Lula se candidatar a presidente em 2018?
Suplicy - Eu acho que temos toda a chance de o PT eleger novamente o presidente Lula, mas vamos ver o que vai acontecer, temos que aguardar a decisão... Eu acho que o próprio Sergio Moro tem uma missão muito difícil, mas acredito que ele possa tomar uma decisão imparcial e justa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia