Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de maio de 2017. Atualizado às 20h51.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 10/05 às 20h58min

Sou julgado pela construção de um Power Point mentiroso, diz Lula a Moro

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em suas considerações finais no depoimento ao juiz Sergio Moro, no âmbito do processo em que é réu e acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões de propinas da OAS no caso do tríplex no Guarujá, que está sendo julgado, na realidade, "porque já tinham tese anterior de que o PT era uma organização criminosa." Lula citou, para justificar seu argumento, o Power Point, apresentado por promotores do Ministério Público Federal (MPF), em que era apontado como o principal responsável pelo esquema de corrupção deflagrado pela Lava Jato.
"Estou sendo vítima da maior caçada política que um político brasileiro já teve", disse o ex-presidente ao iniciar sua fala. "Sou julgado pela construção de um Power Point mentiroso, aquilo é ilação pura", disse, antes de ser interrompido por Moro. O juiz frisou que o depoimento deveria ter relação com o processo, e não um "discurso político".
Durante sua fala, Lula reafirma que é vítima de um processo de criminalização pelo que fez no governo. "Tentam me incriminar, independentemente de que em 2 anos eu prove minha inocência". Capas de revistas, assim como volume de matérias positivas e negativas nos jornais, foram usadas como exemplo deste processo
Neste momento, Moro questiona se tal processo seria encampado pela imprensa ou por acusadores. "Falo dos vazamentos que saem para a imprensa", explicou Lula. Moro, então, salientou que "não é a imprensa que faz a acusação no processo".
Além disso, Lula afirmou que acreditava merecer "mais respeito" durante o processo. "Algumas pessoas são acusadas e ninguém é atacado 10% do que eu sou atacado", declarou. "Quero que se pare com ilações e digam qual crime eu cometi."
As interrupções se repetem ao longo das considerações finais, até que o ex-presidente pede para que o julgamento seja feito apenas com base em provas, e que não seja influenciado por aquilo que é publicado na imprensa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia