Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de maio de 2017. Atualizado às 22h44.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Partidos

Notícia da edição impressa de 02/05/2017. Alterada em 01/05 às 19h39min

Dilelio comandará PT de Porto Alegre

Novo presidente, Rodrigo Dilelio assume depois do Congresso Nacional da legenda

Novo presidente, Rodrigo Dilelio assume depois do Congresso Nacional da legenda


JONATHAN HECKLER/JONATHAN HECKLER/JC
Bruna Suptitz
Candidato apoiado pelos ex-prefeitos de Porto Alegre Olívio Dutra e Raul Pont, Rodrigo Campos Dilelio foi eleito, no domingo, como novo presidente municipal do PT na Capital gaúcha. Com 599 votos (59%), ele venceu a candidata Laura Sito, que fez 419 votos (41%). A posse da nova diretoria será depois do congresso que vai escolher o novo presidente nacional do partido, no primeiro fim de semana de junho.
Segundo Dilelio, a estratégia do PT no município é reorganizar o trabalho de base, mantendo a cooperação com o PSOL na Câmara de Vereadores, e ampliar essa articulação para os movimentos populares da periferia, bairros próximos ao Centro (onde o PSOL tem maior presença) e com representações sindicais do PCdoB.
Hoje, os quatro vereadores petistas e três do PSOL formam a bancada de oposição ao prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB). "Perdemos muita base, não só por problema de organização, mas da política geral. Faremos uma oposição com conteúdo extra-Parlamento, baseada na organização das pessoas", avalia o presidente eleito.
Relembrando as eleições municipais do ano passado, Dilelio aponta que, no primeiro turno, a esquerda fez 30% dos votos, e unida poderia ter chegado ao segundo turno da disputa. "Queremos nos diferenciar dos partidos que não são governo, mas não são oposição ao Marchezan. Acreditamos que isso vai nos beneficiar", completa.
Projetando como essa organização pode repercutir nas eleições gerais do próximo ano, Dilelio diz que não quer ser ambicioso, "mas é evidente que gostaríamos de definir uma proximidade com o PSOL e o PCdoB".
Mesmo sabendo que as duas siglas projetam candidatura própria à presidência, o petista diz que, se pudesse fazer um pedido ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seria de conversar com lideranças desses dois partidos, além de setores do PDT, na tentativa de "construir uma união da esquerda".
Dilelio foi eleito em segundo turno. A primeira etapa do processo eleitoral ocorreu no dia 9 de abril, quando quatro candidatos disputaram a preferência dos petistas da Capital. A composição da executiva terá representantes das quatro chapas. Os nomes serão indicados até a data da posse.

Direção estadual petista será definida no fim de semana

No próximo fim de semana, dias 6 e 7 de maio, ocorre o Congresso Estadual do PT. O encontro, no Teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, deve reunir 600 delegados definidos nas eleições municipais do partido, que escolherão o novo presidente da sigla no Rio Grande do Sul.
Três candidatos participam da disputa: Ary Vanazzi, prefeito de São Leopoldo e atual presidente, o deputado federal Pepe Vargas e o ex-deputado estadual Ivar Pavan. Também serão escolhidos os delegados que representarão o Estado no Congresso Nacional do PT.
Rodrigo Oliveira, atual presidente do PT em Porto Alegre, acredita que os encontros que definirão a direção do partido podem ajudar a criar estratégia de "como resistir frente ao golpe e projetar a eleição de Lula (PT, à presidência da República)".
Vanazzi diz que, paralelamente aos debates sobre as eleições de 2018, a decisão política do partido é estar "permanente nas ruas, em oposição às reformas da Previdência e trabalhista". A ideia é, no Congresso Nacional do PT, estabelecer estratégia para a corrida eleitoral do ano que vem.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia