Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 00h15.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 25/05/2017. Alterada em 24/05 às 20h17min

Por mais negros na magistratura

Karen Luise Souza Pinheiro
Dias atrás tive a satisfação de participar do I Encontro Nacional de Juízas e Juízes Negros. Com muito orgulho, me incluo entre o contingente de apenas 1,4% de magistrados negros do País. O evento, em Brasília, teve como objetivo a aproximação dos magistrados e a realização de um profundo debate acerca de racismo, igualdade racial e identidade, buscando-se encontrar mecanismos à promoção da igualdade. Não se pode admitir que, em um país com uma população de 51% de negros, apenas 1,4% dos magistrados sejam negros. Ora, quando se fala em democracia, fala-se em representatividade. Nos dias atuais, não há representatividade da população negra na magistratura. Isso é um problema da sociedade, e não apenas dos juízes negros, na medida em que representatividade, no caso, significa legitimidade do Poder Judiciário.
Uma série de proposições foi apresentada, inclusive a de envio de moção à AMB, a fim de que seja acolhido o pedido de criação de uma secretaria de igualdade racial na associação, para discussão do tema e encaminhamento de ações à alteração desta realidade. Motiva-nos ainda manifestações de apoio como a da vice-presidente administrativa da Ajuris, Vera Lúcia Deboni, em favor de maior presença de negros na magistratura.
Assim como a declaração do outro magistrado negro gaúcho que participou do evento - realizado pela Amagis-DF e Amase (SE), com apoio da AMB, Anamatra e Ajufe -, Antonio Carlos Ribeiro: "Saímos renovados, tanto nos aspectos jurisdicionais como pessoais", disse ele. Que o encontro surta o efeito que desejamos e que a população negra passe a ser representativa na magistratura.
Juíza da Vara Criminal de Soledade-RS
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia