Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de maio de 2017. Atualizado às 22h42.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 03/05/2017. Alterada em 02/05 às 19h37min

É preciso desmontar a falácia

Vilmar Zanchin
No artigo do dia 2 de maio de 2017 no Jornal do Comércio, o deputado Luiz Fernando Mainardi (PT) distorce as exigências feitas aos estados para aderirem ao Regime de Recuperação Fiscal proposto pela União. Talvez, o deputado as considere descabidas, como as imposições para que os estados não gastem acima do possível ou a necessidade de que se tenha maior responsabilidade fiscal. Como se sabe, é vocação de seu partido o descontrole com o dinheiro público e o gasto desenfreado. Caso a proposta prospere, o Rio Grande do Sul terá três anos de carência na dívida com a União. Uma folga de R$ 9,5 bilhões no orçamento do Estado para investimentos em áreas como saúde, segurança, educação e assistência social. Nas privatizações, o governo federal deu a opção aos estados de escolha por estatais dos setores de energia, saneamento ou financeiro para que sirvam como garantia na contratação de novos empréstimos. O Rio Grande do Sul optou pelo setor energético. Banrisul e Corsan não estão nesse rol e nunca estiveram nas discussões sobre eventual privatização, como a oposição vem brandindo para criar desconfianças. Dispor das estatais de energia CEEE, CRM e Sulgás é dar chance de serem readequadas para oferecer serviços públicos de qualidade sob supervisão do Estado. Estas companhias não têm o potencial necessário sem maciços investimentos. A sociedade precisa de empregos e renda. Isso se obtém com a atração de investimentos que contribuam com arrecadação de ICMS, assegurando recursos a áreas essenciais. Para a conquista de novos empreendimentos, é necessário que ofertemos infraestrutura eficiente, assegurando a produtividade com um fornecimento energético ideal. Lembramos que o processo depende de votações dos representantes eleitos pela sociedade, deputados federais, senadores e parlamentares gaúchos que tomam posição a partir dos anseios de seus eleitores. Não são medidas impostas, mas avaliadas e discutidas por nossos representantes até entrarem ou não em vigor.
Deputado estadual (PMDB)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia