Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de maio de 2017. Atualizado às 09h50.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

China

Alterada em 04/05 às 09h56min

Tempestade de areia atinge Pequim e preocupa governo

Autoridades de Pequim emitiram um alerta azul por conta da tempestade de areia

Autoridades de Pequim emitiram um alerta azul por conta da tempestade de areia


Nicolas ASFOURI/AFP/JC
Agência Brasil
A cidade de Pequim, na China, amanheceu nesta quinta-feira (4) com níveis de contaminação considerados perigosos pelas autoridades e com pouca visibilidade em sua atmosfera urbana, por conta da tempestade de areia que afeta a região, obrigando o cancelamento de diversos voos.
A tormenta, um fenômeno habitual no norte da China a cada primavera por conta da proximidade de desertos como o de Gobi, fez com que o nível de partículas PM10 (cerca de 10 mícrons de diâmetro) supere os 1 mil microgramas por metro cúbico, uma das concentrações mais altas do ano.
Também é alto, embora um pouco menor (mais de 500 microgramas por metro cúbico), o nível das menores partículas PM2.5, consideradas as mais nocivas para a saúde.
As autoridades de Pequim emitiram um alerta azul por conta da tempestade de areia, que atinge uma vasta região do norte do país, incluindo as regiões de Xinjiang e Mongólia Interior, nos extremos noroeste e norte do país. De acordo com meteorologistas, esta situação deve afetar a região até amanhã. Diante dos atuais níveis de contaminação, recomenda-se que grupos de risco - como crianças e idosos - não saiam de suas casas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia