Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de maio de 2017. Atualizado às 20h51.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

stf

Alterada em 25/05 às 20h52min

'A hora é de serenidade', diz Cármen a parlamentares da oposição

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, sinalizou a senadores que a Corte não deve se envolver, pelo menos por enquanto, na crise política causada pelas revelações da delação dos empresários do grupo J&F.
Uma matéria publicada no site institucional do STF relata o encontro que a ministra teve na manhã desta quinta-feira, 25, com parlamentares da oposição, e diz que Cármen afirmou que "a hora é de serenidade, de calma e de cumprimento da lei".
O site afirma ainda que os senadores haviam solicitado o encontro para falar das ações apresentadas na véspera contra o decreto do presidente Michel Temer, que convocou as Forças Armadas para atuar em Brasília durante a manifestação de quarta-feira, mas que, como o ato foi revogado no momento em que os senadores estavam no Supremo, "as conversas se voltaram para as questões atuais".
A notícia diz que entre os temas tratados, o grupo abordou "a grave crise política" e que a "a ministra lembrou, no entanto, que o Judiciário não é um espaço político". "Aqui é uma Casa em que aplicamos o direito", teria dito ela.
A presidente do STF também teria afirmado que, neste momento, é importante que todos ajam com prudência e racionalidade. "Ou o Brasil se salva com a Constituição, ou vamos ter mais problemas", disse.
Não é comum o site institucional do Supremo divulgar conversas que a presidente tem em reuniões privadas, que costumam ser fechadas para a imprensa. Desde a semana passada, a presidente do STF e demais ministros da Corte têm evitado se manifestar sobre a crise que ameaça tirar Temer da Presidência.
Nessa quarta-feira, 24, Cármen decidiu continuar a sessão do plenário mesmo após ser avisada de que os protestos na Esplanada haviam saído do controle. Enquanto bombas eram jogadas e prédios eram depredados, os ministros debatiam questões tributárias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia