Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de maio de 2017. Atualizado às 17h09.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

Alterada em 24/05 às 17h15min

Ministro da Defesa critica 'baderna' e anuncia Exército na Esplanada

Raul Jungmann fez pronunciamento a pedido do presidente Michel Temer

Raul Jungmann fez pronunciamento a pedido do presidente Michel Temer


Valter Campanato/Agência Brasil/JC
Folhapress
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, classificou nesta terça-feira (24) como "baderna" e "descontrole" os episódios de vandalismo e depredação em protesto em Brasília e solicitou reforço das Forças Armadas para controlar a situação na Esplanada dos Ministérios.
Em pronunciamento feito a pedido do presidente Michel Temer, o ministro disse que a manifestações "degringolou para violência, vandalismo, desrespeito, agressão e ameaça". Segundo ele, as tropas federais que estão neste momento no Palácio do Planalto e no Palácio do Itamaraty para os prédios ministeriais.
"O presidente ressalta que é inaceitável a baderna, o descontrole e que ele não permitirá que atos como esse venham a turbar um processo que se desenvolve de maneira democrática e em respeito às manifestações", disse.
Temer assinou decreto em edição extra do "Diário Oficial da União" que autoriza o emprego das Forças Armadas até a próxima quarta-feira (31) para a garantia da lei e da ordem no Distrito Federal.
O protesto foi organizado por centrais sindicais e movimentos de esquerda pela saída do presidente, contra as reformas da previdenciária e trabalhista e a favor da convocação de eleições diretas para presidente.
Nos bastidores, auxiliares e assessores presidenciais reconhecem que o protesto não foi irrelevante e reuniu público maior do que era esperado. Eles avaliam, no entanto, que os episódios de vandalismo e depredação acabaram ganhando mais destaque na opinião pública do que as revindicações, que acabaram colocadas em segundo plano.
Com o agravamento do confronto entre manifestantes e policiais, o presidente ordenou a evacuação de todos os prédios da Esplanada dos Ministério na tarde desta quarta-feira (24). A ordem foi repassada pela Casa Civil devido aos episódios de depredação e vandalismo nas estruturas governamentais, como o incêndio causado na Agricultura.
O presidente também acionou o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) para ajudar na evacuação dos prédios e evitar que outras estruturas ministeriais sejam incendiadas.
Foram disparadas bombas de gás e de efeito moral durante a manifestação. A cavalaria da Polícia Militar chegou a investir contra os manifestantes, que responderam jogando pedras e paus.
Os organizadores falam em mais de 100 mil pessoas. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal afirmou que até as 11h30min havia 25 mil manifestantes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia