Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 11h12.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

segurança pública

Alterada em 11/05 às 11h17min

Terminal Parobé é liberado após fogo em ônibus no Centro da Capital

O fogo foi ateado a um coletivo da linha 731 Parque dos Maias, no fim da tarde de quarta-feira

O fogo foi ateado a um coletivo da linha 731 Parque dos Maias, no fim da tarde de quarta-feira


JOEL VARGAS/PMPA/JC
O terminal Parobé, no Centro Histórico de Porto Alegre, voltou a operar normalmente na manhã desta quinta-feira (11), após interdição devido a incêndio de um ônibus no fim da tarde de ontem. O fogo foi ateado a um coletivo da linha 731 Parque dos Maias, por volta das 17h. As linhas que utilizam o terminal precisaram ser deslocadas para a avenida Júlio de Castilhos.
Segundo o comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar, tenente Eduardo Amorim, um homem que estava sozinho teria ordenado que todas as pessoas deixassem o veículo antes da ação. O autor seria um homem pardo, com moletom cinza, bermuda preta e usando mochila. O comandante descartou que o ataque tenha sido causado por algum desentendimento envolvendo passageiros ou tripulantes, e ainda não há registro de ocorrências que possam dar indícios da motivação do criminoso.
No fim da noite de quarta, um novo incêndio a ônibus foi registrado na Vila Cruzeiro, zona Sul de Porto Alegre. O ataque ocorreu no final da linha Icaraí, em veículo que retornava do Centro e seguia para a garagem. De acordo com a EPTC, os ônibus da linha não circulam nesta manhã e não há horário para a retomada das operações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia