Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de maio de 2017. Atualizado às 00h48.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 26/05/2017. Alterada em 26/05 às 00h34min

Procuradoria pede prisão de ex-cartola do Barcelona sem direito a fiança

A Procuradoria da Espanha pediu nesta quinta-feira a prisão incondicional (sem direito ao pagamento de fiança) para Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona investigado por usar jogos amistosos da seleção brasileira para lavar dinheiro. Na terça-feira, a polícia prendeu Rosell, que tinha parceria com Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF. Os investigadores ainda miram no brasileiro e em seus negócios com a seleção. Teixeira, entre os espanhóis, é considerado como o principal arquiteto deste esquema.
No total, cinco pessoas foram detidas e os policiais fizeram buscas e apreensões em endereços em Barcelona, Andorra, pequeno país que fica perto da Espanha, e outras duas cidades desta região do continente europeu. A operação na casa do ex-dirigente durou dez horas, com questionamentos e o acesso a computadores, celulares e arquivos.
O centro da investigação é o esquema de lavagem de dinheiro que Rosell manteve com a CBF. A suspeita é de que os investigados tenham lucrado US$ 15 milhões ( R$ 49 milhões) com a venda de direitos de imagem para amistosos do Brasil a uma empresa do Catar. Dali, o dinheiro era desviado para uma conta em Andorra, onde Teixeira chegou a ter residência. A Justiça já bloqueou cerca de € 10 milhões (R$ 36 milhões) em contas, além de 50 imóveis, avaliados em mais de € 25 milhões (R$ 91 milhões).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia