Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 07 de maio de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato paulista

Alterada em 07/05 às 18h39min

Corinthians empata com a Ponte Preta conquista 28º título paulista e celebra 1977

O Corinthians é campeão paulista pela 28ª vez. O título foi confirmado neste domingo com empate por 1 a 1 contra a Ponte Preta, no Itaquerão, mas havia sido conquistado, de fato, há uma semana em Campinas. Aqueles 3 a 0 definiram o torneio estadual e transformaram o jogo decisivo em uma tarde de dupla celebração.
Em Itaquera, com recorde de público - 46.017 pagantes -, festejou-se o novo troféu e os 40 anos da conquista do Campeonato Paulista de 1977, o título que marcou uma geração, ganho também diante da Ponte Preta.
A conquista de 1977 foi única. Esta foi mais um título paulista, o 28º da história do clube, marca que mantém o Corinthians como o maior vencedor do estadual. A Ponte amargou outra derrota e ampliou o seu jejum centenário de títulos.
O título estadual de 2017 foi o primeiro do Corinthians em sua nova casa, a arena de Itaquera, estádio que chegou ao centésimo jogo e vivia uma contradição: um aproveitamento impecável de vitórias, de 69% (são 69 vitória em 100 jogos) e uma série de eliminações em mata-mata (seis). Neste domingo, acabou a "maldição".
Na decisão, o Corinthians foi fiel à sua campanha. Desconsiderou o fato de que podia perder por até 2 a 0 para ser campeão durante os 90 minutos e jogou com seriedade. Ao estilo do técnico Fábio Carille, marcou, defendeu-se com segurança e, aos poucos, foi ganhando o controle do jogo.
O gol poderia ter saído no primeiro tempo em pelo menos três oportunidades: um chute de Jadson defendido por Aranha, uma bola de Maycon que parou na trave e uma chance desperdiçada por Jô. As ausências de Gabriel e Rodriguinho, peças-chave na engrenagem montada por Carille, foram superadas.
O grito de campeão saiu pela primeira vez aos 17 minutos do segundo tempo após o gol marcado por Romero, titular absoluto de Carille - e maior artilheiro da arena, com 18 gols. O paraguaio, que errou a primeira finalização, recuperou-se e concluiu para o gol de carrinho. Nem o gol da Ponte, marcado por Marlon aos 40 minutos do segundo tempo. estragou a festa do merecido título.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia