Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de junho de 2017. Atualizado às 00h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 01/06/2017. Alterada em 31/05 às 23h20min

Câmara dos Deputados dá sobrevida para guerra fiscal entre os estados

Em uma nova derrota das regiões industrializadas, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto que dá uma sobrevida de 15 anos à maior parte dos incentivos concedidos ilegalmente por estados para atração de empresas, a chamada "guerra fiscal". O texto já havia sido aprovado pelo Senado, mas como foi modificado pelos deputados, segue para nova e definitiva análise dos senadores. Foram 405 votos a favor e 28, contra.
Os estados industrializados queriam uma redução imediata e gradual dos incentivos fiscais em vigor. Já Norte, Nordeste e Centro-Oeste pressionam para que tudo fique como está por pelo menos 15 anos, tese que acabou prevalecendo no relatório do deputado Alexandre Baldy (PTN-GO).
O projeto, que anistia os incentivos concedidos até hoje, permite aos estados manter intactos por até 15 anos a redução de impostos concedida para atrair indústrias e empresas de agropecuária e infraestrutura rodoviária, aquaviária, ferroviária, portuária, aeroportuária e de transporte urbano. Os demais setores terão redução gradual e extinção do benefício em um menor período.
O grupo dos estados industrializados argumenta que a guerra fiscal vai continuar e vai se intensificar. Além disso, acrescentam, daqui a alguns anos as bancadas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste podem se mobilizar para aprovar nova extensão do prazo. Estimativa de técnicos da receita de São Paulo diz que, no conjunto, os estados perdem entre R$ 100 e R$ 150 bilhões por ano com a renúncia fiscal criada pela guerra de incentivos fiscais.
O texto aprovado nesta quarta acaba ainda com a necessidade de unanimidade entre os estados para concessão de novos incentivos. Estabelece, agora, o aval de pelo menos dois terços das unidades da federação no Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), órgão composto pelos secretários de Fazenda, Finanças e Tributação dos estados.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia