Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 28 de maio de 2017. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

inovação

Notícia da edição impressa de 29/05/2017. Alterada em 28/05 às 21h27min

Governos do Brasil e do Canadá discutem parcerias

Uma delegação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Mctic) discutiu, na semana passada, no Canadá, temas prioritários e estratégicos para a cooperação em ciência, tecnologia e inovação entre os dois países.
O encontro, chefiado pelo assessor especial de Assuntos Internacionais da pasta, Luis Felipe Fortuna, reuniu representantes da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (Seped) e da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Setec), de entidades vinculadas ao Mctic, como a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), além de outros órgãos, como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).
Foram discutidos parcerias e intercâmbios nas áreas de ciências da vida, nanotecnologia, bioeconomia e agricultura, pesquisa e desenvolvimento industrial, parques tecnológicos e oportunidades de financiamento.
Fortuna afirmou que as discussões contribuirão para aprimorar relações consolidadas e indicar novos caminhos para promover cooperação mutuamente benéfica entre Brasil e Canadá.
O líder da delegação canadense, Ted Hewitt, considerou a reunião como oportunidade para tratar de possibilidades de realização do potencial apresentado pelo relacionamento bilateral, dado o tamanho das duas economias e os interesses estratégicos de ambos os países.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia