Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de maio de 2017. Atualizado às 14h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

26/05/2017 - 12h41min. Alterada em 26/05 às 12h58min

Meirelles diz que há aumento do poder de compra da população de 3% no 1º trimestre

O ministro afirmou que a economia brasileira já retomou uma trajetória de crescimento

O ministro afirmou que a economia brasileira já retomou uma trajetória de crescimento


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
Agência Brasil
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira (26) que a queda da inflação permite a redução da taxa básica de juros e o aumento do poder de compra da população. Mesmo a inflação de serviços, de acordo com o ministro, já está em trajetória descendente. 
"Durante um tempo tivemos resistência na inflação de serviços, mas agora ela já está caindo", afirmou o ministro, em discurso durante o 89.º Encontro Nacional da Indústria da Construção. "Já estamos verificando um aumento do poder de compra de cerca de 3% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior."
Meirelles disse ainda que os indicadores mostram que as empresas e as famílias estão pagando suas dívidas e reduzindo seu grau de alavancagem. De acordo com ele, a partir de 2011, houve um aumento do nível do endividamento das empresas e famílias, mas isso se interrompeu no meio de 2016. Segundo o ministro, esse processo contribuiu para atrasar a retomada do crescimento econômico. "Agora não, a economia já está em retomada", afirmou.
Meirelles disse também que as despesas primárias do governo, que vinham crescendo de forma constante desde 2012, atingiram um pico de 19,8% do PIB no ano passado. "Agora estão começando a cair, como resultado da aprovação do teto de gastos e de medidas de contenção de despesas que estamos tomando", afirmou. "Isso é algo da maior importância."
O ministro destacou que a projeção é que as despesas primárias atinjam 18,9% do PIB neste ano, 17,8% em 2020 e 15% em 2017. "Isso abre espaço para o crescimento do setor privado, que já começa a crescer", afirmou.
Meirelles afirmou que a economia brasileira já retomou uma trajetória de crescimento econômico. "É muito importante hoje nós nos atermos ao que está acontecendo na economia e, em função disso, conversarmos e planejarmos nossas ações". Ele mencionou indicadores como o IBC-BR, segundo o qual já há um crescimento "fortemente positivo" no primeiro trimestre deste ano comparativamente ao último trimestre de 2016. "É importante analisarmos e vermos a trajetória de retomada da economia brasileira, principalmente do fim do ano passado para cá."
Segundo Meirelles, com reformas, como a trabalhista e da Previdência e ações microeconômicas, o PIB potencial pode passar de 2,3% para cerca de 3,7% nos próximos 10 anos. "Podemos aumentar (o PIB potencial) chegando a 3,5%, a 4% e entrar em rota robusta para próximos anos", afirmou. Em 2018, o ministro disse que a economia brasileira pode crescer acima de 2,3% porque há grande ociosidade.
Durante Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), do qual participou na manhã desta sexta-feira, o ministro reforçou que o governo está comprometido com a redução do papel do Estado na economia e que o País está em trajetória forte de recuperação. "A mensagem é que há grandes oportunidades de investimento no Brasil e economia está crescendo. Compete a todos continuar trabalhando para que país consiga consolidar trajetória de crescimento", concluiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
DORIAN R. BUENO 26/05/2017 14h17min
VAMOS COMPRAR AS COISAS MAIS BARATAS DA VIDA !!!nnÀs vezes temos desejos em conquistar o que não depende somente de nós, e isto poderá demorar algum tempo, custar muito caro, trazer sofrimentos devido à falta de paciência para poder aguardar a hora certa para quem sabe acontecer. Quero dizer, que é muito mais fácil e barato falar o que nós sentimos dentro do nosso coração junto ao espelho, no escuro do quarto de joelhos orando para DEUS com mais fé. Quem sabe olhar para seus filhos e dizer na gíria deles um TAMU JUNTO para o que for preciso, olhar dentro dos olhos da mulher que você ama e renovar todos os dias o EU TE AMO MEU AMOR, e continuar tendo humildade para agradecer por tudo isto. Podemos olhar para lado e ajudar com um pouco mais de solidariedade quem precisa de um abraço, aberto de mão, uma palavra carinhosa de incentivo para se levantar e seguir novamente a sua caminhada. Tudo isto é muito mais barato do que estar sempre com o humor lá no inferno, dar um passo maior que a perna, estourar a conta no banco, o cartão de crédito, e depois lamentar que o salário talvez esteja curto demais para realizar todos os seus sonhos. Eu tenho feito a minha parte para continuar sendo um cara organizado, solidário dentro do que é possível com as pessoas e com a minha saúde física e minguada financeira de apenas um dígito e alguns zeros. Que DEUS possa ser sempre generoso, e misericordioso com os sobreviventes deste atrapalhado País consumista chamado Brasil. Amém. Abs. Dorian Bueno, POA - 26.05.2017nnn