Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de maio de 2017. Atualizado às 17h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Alterada em 24/05 às 17h09min

Ato em frente à Alerj termina após uso de bombas de gás no Rio de Janeiro

A Polícia Militar usou bombas de gás para dispersar manifestantes que protestavam do lado de fora da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Houve correria, o comércio fechou as portas e o VLT ficou com sua circulação interrompida.
As primeiras bombas foram lançadas pouco depois das 15h30min somente em ruas laterais da assembleia, para onde um grupo de manifestantes havia se deslocado na tentativa de entrar na Alerj. Lá, alguns mascarados depredaram um veículo oficial usado por deputados.
Cerca de 15 minutos mais tarde, PMs começaram a se deslocar em direção à Avenida Rio Branco, distante três quadras do legislativo estadual, fecharam os acessos e dispararam bombas em direção ao grupo que se concentrava também na frente da Alerj.
Pessoas que circulavam pelo Centro, mesmo distantes do protesto, correram para se abrigar em estabelecimentos comerciais, que pouco a pouco fecharam as portas.
Com as bombas, o ato em protesto contra o aumento da contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14% terminou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia