Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de maio de 2017. Atualizado às 21h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 23/05 às 21h53min

Moody's rebaixa rating da China de Aa3 para A1 e altera perspectiva para estável

A Moody's rebaixou o rating da China de Aa3 para A1, além de mudar a perspectiva da nota de negativa para estável. A agência afirma que o rebaixamento reflete a expectativa de que a força financeira do país irá erodir gradualmente ao longo dos próximos anos, com a dívida na economia como um todo continuando a crescer, enquanto o crescimento potencial desacelera.
"Embora o progresso atual nas reformas deva transformar a economia e o sistema financeiro com o tempo, isso não deve impedir uma elevação material da dívida na economia em geral e o consequente aumento nos passivos contingentes para o governo", afirma a agência.
Já a perspectiva estável reflete a avaliação de que, no nível do rating A1, os riscos estão equilibrados. "A erosão do perfil de crédito da China será gradual e, nós esperamos, por fim contidas conforme as reformas se aprofundam", aponta a agência. A força do perfil de crédito da China permitirá que o rating soberano permaneça resistente a choques negativos, com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) provavelmente mantendo-se em patamar forte na comparação com outros soberanos, com espaço ainda considerável para a política se adaptar e apoiar a economia e com uma conta de capital em grande medida fechada.
A Moody's diz que a dívida crescente irá erodir as métricas de crédito da China, com um crescimento econômico robusto cada vez mais dependente do estímulo político. A agência prevê que o PIB da China desacelere para perto de 5% ao longo dos próximos cinco anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia