Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de maio de 2017. Atualizado às 19h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 23/05 às 19h55min

Em Nova Iorque, dólar avança ante euro e iene, mas ainda perto da mínima em sete meses

O dólar avançou ante o euro e o iene, mas ainda ficou próximo da mínima em sete meses, caso se considere a divisa dos Estados Unidos ante uma cesta de outras moedas fortes. No caso do euro, a moeda perdeu fôlego, após atingir a máxima em seis meses ante o dólar ontem.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia a 111,79 ienes e o euro recuava a US$ 1,1181.
Alguns investidores aproveitaram para embolsar lucros com a recente queda do dólar, antes da divulgação nesta quarta-feira da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), afirmou Joe Manimbo, estrategista da companhia de serviços financeiros Western Union.
Mais amplamente, o viés do dólar passou a ser negativo, na avaliação de Manimbo. Segundo ele, até que as coisas se acalmem no quadro político em Washington e que a economia americana dê sinais de mais força após a desaceleração no primeiro trimestre, a tendência é que o dólar mantenha trajetória negativa.
No caso do euro, após a moeda tocar máxima em seis meses ontem, houve espaço para realização de lucros. Alguns dados positivos da Alemanha e da França impulsionaram a demanda pela moeda comum, mas analistas notam que há dificuldade para a divisa subir mais, neste momento. Diretor de estratégia de câmbio da WorldFirst, Jeremy Cook sustenta que o euro é a maneira favorita para se levar o dólar para baixo, com o iene já forte, as preocupações com a saída do Reino Unido da União Europeia afetando a libra e os temores em relação às moedas emergentes e commodities antes da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que ocorre nesta quinta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia