Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de maio de 2017. Atualizado às 17h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Alterada em 17/05 às 17h44min

Déficit comercial de produtos químicos atinge US$ 6,4 bi de janeiro a maio

O déficit da balança comercial de produtos químicos atingiu US$ 6,4 bilhões nos quatro primeiros meses de 2017, o que representa uma alta de 0,5% em relação ao mesmo período de 2016, informa a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).
De janeiro a abril de 2017, o Brasil importou US$ 10,7 bilhões e exportou US$ 4,3 bilhões em produtos químicos. Na comparação com o mesmo período do ano passado, as importações cresceram 5,4% e as exportações 13,5%. No acumulado dos últimos 12 meses o déficit é de US$ 22 bilhões, mesmo valor observado para o ano de 2016.
O item resinas termoplásticas foi o mais exportado pelo País, com vendas de US$ 791,1 milhões entre janeiro e abril deste ano, o que representou um aumento de 3,2% em relação aos mesmos meses de 2016. Já os intermediários para fertilizantes permanecem como o principal grupo da pauta de importação brasileira de produtos químicos, com compras de US$ 1,9 bilhão no acumulado do ano, registrando-se um expressivo aumento de 28,7% na mesma comparação.
Segundo a Abiquim, de janeiro a abril, os produtos químicos responderam por 23,0% do total de US$ 46,8 bilhões em importações e 6,4% dos US$ 68,1 bilhões em exportações realizadas pelo País. As importações de produtos químicos movimentaram 13,7 milhões de toneladas e o volume das exportações chegou a 5,4 milhões de toneladas, aumentos respectivamente de 27,0% e de 0,6% em relação aos quatro primeiros meses de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia