Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de maio de 2017. Atualizado às 13h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

VAREJO

Alterada em 17/05 às 14h03min

Vendas de livros caíram 5,2% no Brasil em 2016, segundo estudo da Fipe

Só em 2016, as vendas caíram 5,2% no país

Só em 2016, as vendas caíram 5,2% no país


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Folhapress
Nos últimos dois anos, editoras acumularam um recuo superior a 17% nas vendas de livros no Brasil. Só em 2016, as vendas caíram 5,2% no país, aponta pesquisa da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo) divulgada nesta quarta (17) pela CBL (Câmara Brasileira do Livro) e pelo Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros).
A estimativa é feita a partir dos dados de uma amostra das editoras, analisada em relação à performance do setor editorial.
Um dos pontos de destaque da pesquisa é o impacto da retração econômica brasileira no mercado livreiro. Seguindo o cenário de 2015, que alcançou os 12,6% negativos no setor, houve em 2016 um decréscimo de 5,2% considerando a variação do IPCA então vigente de 6,3%.
Apesar do decréscimo do ano passado ter sido reduzido em relação ao anterior, o impacto acumulado de dois anos de índices negativos é grande.
Ainda segundo a Fipe, o subsetor mais afetado pela crise foi o de livros científicos, técnicos e profissionais (CTP) -foram menos de 4,5 milhões de exemplares vendidos: uma queda nominal de 10,5%.
A pesquisa refere-se apenas a venda de livros físicos. Em agosto sai o Censo do Livro Digital, estudo inédito que ficará responsável por mapear toda a produção digital brasileira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia