Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de maio de 2017. Atualizado às 22h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Notícia da edição impressa de 17/05/2017. Alterada em 16/05 às 21h05min

Desembolso do Bndes cai 15% no 1º quadrimestre

Aportes realizados pelo banco de fomento somaram R$ 21,4 bilhões nos quatro primeiros meses do ano

Aportes realizados pelo banco de fomento somaram R$ 21,4 bilhões nos quatro primeiros meses do ano


/VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) totalizou R$ 21,4 bilhões em desembolsos nos primeiros quatro meses do ano. O resultado significa uma queda de 15% em relação ao mesmo período do ano passado. "Os desembolsos do Bndes ainda refletem o quadro recessivo dos últimos anos", avaliou o bando de fomento, em nota. Apenas no mês de abril, o Bndes desembolsou R$ 6,3 bilhões, um recuo de 11% em relação ao mesmo mês de 2016.
De acordo com o banco de fomento, apesar da retração, há uma redução no ritmo de queda dos desembolsos desde o segundo semestre do ano passado. O Bndes lembra que as liberações caíram 42% na primeira metade de 2016 ante o mesmo período do ano anterior. O segundo semestre foi de retração mais amena, de 28%, também em relação ao mesmo período de 2015.
A queda dos desembolsos no primeiro quadrimestre de 2017 foi concentrada nas regiões Sul (-31%) e Sudeste (-27%). No Centro-Oeste, Norte e Nordeste houve elevação: 36%, 32% e 14%, respectivamente. "É importante observar que os desembolsos são um retrato do passado, uma vez que a tramitação dos pedidos de financiamento direto ao Bndes, apresentados como consultas, pode levar mais de um ano nas fases de enquadramento, aprovação e contratação até se converterem em desembolso", justificou o banco, na nota oficial.
A maior parcela dos desembolsos do Bndes no primeiro quadrimestre de 2017 foi para a área de Infraestrutura, que respondeu por quase 37% do total liberado pelo banco, uma fatia de R$ 7,9 bilhões. O resultado representa uma queda de 9% em relação ao mesmo quadrimestre de 2016, embora alguns segmentos de Infraestrutura tenham registrado expansão, informou o banco, em nota.
O setor de Telecomunicações acumulou R$ 703 milhões em desembolsos entre janeiro e abril, um crescimento de 504% em relação a igual período do ano passado, com concentração de investimentos em modernização de redes.
O segmento de Transporte Ferroviário teve expansão de 106% nos desembolsos, enquanto Energia Elétrica cresceu 40%. Já o setor de Comércio e Serviços ficou com pouco mais de 22% dos recursos liberados pelo Bndes no primeiro quadrimestre, somando R$ 4,7 bilhões. A Agropecuária teve R$ 4,3 bilhões, 20% do total de desembolsos. Já a fatia da Indústria foi de quase 21%, somando R$ 4,5 bilhões.
O Bndes informou que o total aprovado pelo banco em financiamentos ficou em R$ 18,2 bilhões nos primeiros quatro primeiros meses do ano, o que significa uma estabilidade em comparação com o mesmo período de 2016. "O indicador de aprovações antecipa os investimentos que ainda vão ingressar na economia, uma vez que os desembolsos são feitos apenas após a contratação do empréstimo, ao longo do desenvolvimento dos projetos", ressaltou o Bndes, em nota.
O total aprovado para a Indústria cresceu 34% no primeiro quadrimestre de 2017, ante o mesmo período do ano anterior, totalizando R$ 4,6 bilhões. "Os demais indicadores operacionais do Bndes seguem refletindo o contexto econômico do País de recuperação lenta e gradual, que não se distribui uniformemente entre os setores", completou o Bndes no comunicado.
No consolidado do primeiro quadrimestre, o banco de fomento registrou R$ 27,5 bilhões em consultas e R$ 24,6 bilhões em enquadramentos, o equivalente a recuos de 27% e 22%, respectivamente, na comparação com o mesmo período de 2016. Os setores com avanços relevantes nas consultas no período foram Celulose e Papel (370%), Mecânica (192%), Química e Petroquímica (136%), Alimentos e Bebidas (52%) e Têxtil e Vestuário (39%).
Entre os enquadramentos - etapa em que os pedidos de financiamento são encaminhados para análise nas áreas operacionais do Bndes -, houve crescimento nos setores de Mecânica (541%), Celulose e Papel (321%) e Alimento e Bebida (70%).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia