Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de maio de 2017. Atualizado às 16h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

16/05/2017 - 11h09min. Alterada em 16/05 às 11h56min

Rio Grande do Sul fecha 3 mil vagas de trabalho em abril

Principais setores responsáveis pelo desempenho negativo gaúcho foram a agropecuária e o comércio

Principais setores responsáveis pelo desempenho negativo gaúcho foram a agropecuária e o comércio


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O Rio Grande do Sul registrou no mês de abril o fechamento de 3.044 vagas de trabalho com carteira assinada. O resultado de queda, conforme apontam os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira (16) pelo Ministério do Trabalho, ocorre após três meses de saldo positivo no Estado.
Os principais setores responsáveis pelo desempenho negativo gaúcho foram a agropecuária, que fechou 2.830 postos de trabalho, e comércio, com o corte de 1.374 empregos. Já na indústria de transformação, o saldo no mês ficou no positivo, com a criação de 973 vagas.
Apesar do resultado de abril, o Rio Grande do Sul segue com saldo positivo no acumulado de 2017. Nos primeiros quatro meses do ano, foram criadas 21.983 vagas de emprego com carteira assinada.
O levantamento mostra que houve aumento no número de vagas em novembro em apenas 28 dos 71 municípios do Rio Grande do Sul com mais de 30 mil habitantes. O destaque foi para a cidade de Venâncio Aires, que teve saldo positivo de 1.639 contratações no mês.
Nacionalmente, os dados são mais otimistas e representam o primeiro resultado positivo para um mês de abril desde 2014. O país criou 59.856 mil vagas de emprego formal no mês. O resultado representa uma variação positiva de 0,16% em relação a março deste ano.
Em abril de 2016, o mercado de trabalho formal tinha registrado a perda de 62.844 mil postos de trabalho. Já em março deste ano, foram registradas 1.261.332 admissões e 1.324.956 demissões, ou seja, 63.624 vagas foram perdidas.
"Estamos tendo a alegria de celebrar números positivos. Esperamos que estes números positivos se estabeleçam", comemorou o ministro do Trabalho.
O setor de serviços foi o que registrou melhor resultado em abril deste ano, com um saldo de 24.712 contratações, seguido pela agropecuária (14.648); indústria de transformação (13.689) e comércio (5.327).
Com informações da Agência Brasil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários