Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de maio de 2017. Atualizado às 14h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

12/05/2017 - 16h35min. Alterada em 15/05 às 14h28min

Empresa da Cosan, Rumo é condenada a pagar R$ 15 milhões por jornadas de trabalho que chegavam a 34h

Atualizada no dia 15 de maio, às 14h.
A Rumo Logística Operadora Multimodal, empresa do grupo Cosan, que recentemente adquiriu a ALL Logística, foi condenada ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 15 milhões por manter motoristas de caminhão em jornadas de trabalho que chegavam a 34 horas diárias.
Na ocasião, o procurador Rafael de Araújo Gomes flagrou um motorista da empresa BNG Transportes dirigindo há 17 horas, com pequenas paradas ao longo do trajeto.
A ação é do Ministério Público do Trabalho (MPT) em Campinas (SP). Segundo a magistrada que proferiu a sentença, juíza Ana Lúcia Cogo Casari Castanho Ferreira, da 1ª Vara do Trabalho de Araraquara, "a prática de jornadas exaustivas, tal como constatada nos presentes autos, pode, sim, configurar o labor em condição análoga à de escravo, sendo desnecessária a existência de privação da liberdade de ir e vir". 
Em nota, a assessoria de imprensa da Rumo afirmou que a informação de que a empresa foi condenada por trabalho escravo não procede. "A juíza mencionou na sentença que 'a prática de jornadas exaustivas (...) pode, sim, configurar o labor em condição análoga à de escravo', mas a condenação passa longe de condenar a Rumo por isso", diz o texto.
A nota da empresa ainda informa que "a Rumo realiza todas as suas operações dentro da mais completa legalidade, incluindo suas atividades de transporte rodoviário de cargas". O texto ainda diz que a decisão citada pela reportagem é provisória e ignora totalmente as disposições legais vigentes e que a Rumo irá recorrer e confia plenamente na reversão da sentença.
A ação decorre de dois inquéritos civis instaurados a partir de operação realizada pelo MPT em conjunto com a Polícia Rodoviária Estadual na Rodovia Washington Luiz, em março de 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia