Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 22h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

balanços

Alterada em 11/05 às 22h04min

Marfrig tem prejuízo de R$ 237,9 milhões no 1º trimestre

A Marfrig Global Foods apresentou prejuízo líquido no primeiro trimestre deste ano de R$ 237,9 milhões, um aumento de 133,4% sobre a perda de R$ 101,9 milhões registrado no mesmo período de 2016. A receita líquida somou R$ 4,136 bilhões, queda de 16%, ante R$ 4,906 bilhões.
A empresa registrou Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no critério ajustado de R$ 334 milhões, 24,6% menor que no primeiro trimestre de 2016 (R$ 443 milhões). A margem Ebitda ficou em 8,1%, de 9% no mesmo intervalo do ano anterior. O CEO da empresa, Martin Secco, disse ao Broadcast Agro que a valorização do real do período e a Operação Carne Fraca da Polícia Federal influenciaram negativamente o resultado da empresa.
"O primeiro trimestre é sempre um período desafiador, certamente o mais difícil da companhia dentro do qual tivemos vários acontecimentos", disse. Segundo o executivo, assim como as demais empresas do setor, a Marfrig precisou reter exportações, devido ao embarque de países importadores, o que elevou gastos com estoques.
Além disso, no mercado interno, houve queda do preço da carne e no consumo. A empresa também teve dificuldade na aquisição de gado a prazo e precisou realizar mais compras à vista.
A alavancagem da empresa passou de 3,98 vezes ao fim do quarto trimestre de 2016 para 4,08 vezes neste primeiro trimestre. Segundo o vice-presidente de finanças e relações com investidores da Marfrig, Eduardo Miron, o aumento se deve à queda do Ebitda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia