Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 20h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 11/05 às 20h54min

'Estamos satisfeitos; resultado é muito positivo', diz presidente da Petrobras

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou que o lucro de R$ 4,4 bilhões registrado no primeiro trimestre deste ano foi bastante positivo. "Estamos muito satisfeitos", afirmou ao iniciar a coletiva de apresentação do resultado.
Ele disse ainda que "em termos gerais, os resultados operacionais e financeiros foram positivos. Foi um bom trimestre para a companhia", com destaque para o Ebitda de R$ 25,5 bilhões, um recorde histórico. A margem Ebitda é a maior desde 2009.
Parente ressaltou ainda a aceleração do processo de redução da alavancagem. A relação entre dívida e geração de caixa foi reduzida de 3,54 para 3,24.
O diretor Financeiro da Petrobras, Ivan Monteiro, elencou uma série de fatores que contribuíram para que a empresa lucrasse R$ 4,4 bilhões no primeiro trimestre deste ano. Ele mencionou a valorizou do brent e também o câmbio.
Ele destacou também o aumento da exportação, por conta do excedente de produção de óleo que se formou com o decréscimo do consumo interno. O crescimento do processamento de óleo e gás natural produzidos no Brasil também ajudou a reduzir os custos logísticos.
Além disso, pesou a redução de despesas. Entre eles, com pessoal, por conta do Programa de Incentivo às Demissões Voluntárias (PIDV). A previsão é que 3,5 mil funcionários, que aderiram ao programa, ainda se desliguem da empresa.
Monteiro afirmou ainda que a Petrobrás possui um extenso acesso a diferentes fontes de financiamento compatíveis com o seu perfil. A empresa continuará acessando os bancos chineses. O diretor contou também que, em contato com investidores japoneses, eles perceberam interesse nos leilões que serão realizados no Brasil, o que deve atrair financiadores japoneses.
Os diretores de Exploração e Produção, Solange Guedes, e o de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino, da Petrobras destacaram os desempenhos operacionais positivos que levaram ao lucro de R$ 4,4 bilhões no primeiro trimestre.
Celestino ressaltou que o crescimento da produção de óleo nacional, que foi processado para a geração de derivados mais nobres, contribuiu para o resultado. Esses ganhos compensaram a queda do consumo interno. Ele acrescentou ainda que a tendência para os próximos meses é de aumento da demanda de gás e que o aumento da oferta para atender essa alta de consumo deve ajudar a melhorar a rentabilidade.
Já a diretora Solange Guedes adiantou que o primeiro óleo da área de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, deve ser produzido em julho, em fase de teste. A empresa espera entregar em até 60 dias à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) as informações sobre a licitação da plataforma que produzirá o primeiro óleo definitivamente.
Assim, a empresa espera receber com urgência uma definição da agência se poderá descumprir os porcentuais de conteúdo local previstos no contrato de partilha. A ideia é acelerar a contratação da plataforma para produzir o quanto antes o primeiro óleo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia