Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 22h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 12/05/2017. Alterada em 11/05 às 20h23min

DHL quer expandir ações de logística no Rio Grande do Sul

Barcaças podem ser utilizadas na costa brasileira e em hidrovias

Barcaças podem ser utilizadas na costa brasileira e em hidrovias


DHL/DHL/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
A companhia DHL Global Forwarding, divisão do Grupo Deutsche Post DHL, especializada em fretes aéreos, marítimos e rodoviários, recentemente lançou um serviço que tem o Rio Grande do Sul como um dos focos, entre outros mercados-alvo. A companhia quer promover no Estado o uso de balsas oceânicas para transporte de cargas ultrapesadas.
A modalidade é indicada para cargas acima de 40 toneladas e com enormes dimensões. O transporte por esse tipo de embarcação é restrito à cabotagem (costa brasileira) e também às bacias hidrográficas internas. Entre outras vantagens, a CEO da DHL Global Forwarding Brasil, Cindy Haring, destaca que o transporte aquaviário representa um menor impacto ambiental em relação ao rodoviário. Em alguns processos, a DHL também provê o cábrea (espécie de guindaste flutuante) para descarga em portos que não possuem estrutura apropriada.
As balsas oceânicas são empregadas principalmente no transporte de equipamentos, componentes e estruturas dos segmentos de óleo e gás, energia elétrica, metalurgia e mineração. Geradores, bobinas e carretéis são exemplos de itens já movimentados. Outra carga com grande potencial são as pás e torres de energia eólica. Em geral, um caminhão pode carregar apenas uma pá eólica, enquanto uma balsa oceânica pode levar até 32 unidades.
O perfil de cargas e o fato do Rio Grande do Sul contar com acesso ao mar através da hidrovia (Lagoa dos Patos e Guaíba), demonstra a vocação do Estado para esse tipo de operação logística. Cindy destaca que é estratégico para companhia estar próxima a um mercado importante, como é o caso do Rio Grande do Sul. O grupo possui escritório em Porto Alegre e na quinta-feira comemorou 15 anos de atuação no Estado. A executiva acrescenta que, a perspectiva da ampliação da pista do aeroporto Salgado Filho, gera a tendência de aumento do fluxo do modal aéreo para cargas na região.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia