Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 00h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 11/05/2017. Alterada em 10/05 às 20h52min

Decreto regulamentará manejo de erva-mate em áreas de preservação

Apenas entre 10% e 15% da erva-mate é nativa no Rio Grande do Sul

Apenas entre 10% e 15% da erva-mate é nativa no Rio Grande do Sul


/ROG/DIVULGAÇÃO/JC
Está praticamente concluída a minuta do decreto do governo estadual que irá regulamentar o manejo da erva-mate em Áreas de Preservação Permanente (APP) e remanescentes de vegetação nativa no Rio Grande do Sul. As secretarias da Agricultura, Pecuária e Irrigação, do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo e do Meio Ambiente vão formular o texto. A informação foi dada ontem durante reunião da Frente Parlamentar da Erva-Mate da Assembleia Legislativa.
O coordenador da frente, deputado Elton Weber (PSB), salientou que apesar do decreto ter avançado, garantindo maior segurança jurídica e área para o plantio, segue pendente uma legislação específica que permita a introdução de erva-mate em sub-bosques de floresta nativa.
Segundo o presidente do Instituto Brasileiro da Erva Mate (Ibramate), Valdir Zonin, apenas entre 10% e 15% da erva-mate é nativa no Estado, sendo restante erva plantada. O Ibramate solicita a revogação do Decreto nº 112/2015, do governo do Uruguai, que estabeleceu novos limites de tolerância de chumbo e cádmio constantes na erva-mate, prejudicando a comercialização do produto brasileiro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia