Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de maio de 2017. Atualizado às 16h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Serviços

Alterada em 10/05 às 16h41min

Correios sobem tarifas em 7,5% e carta com mais de meio quilo terá preço de Sedex

Objetos com mais de 500 gramas, despachados como PAC ou encomenda, terão o mesmo preço do Sedex

Objetos com mais de 500 gramas, despachados como PAC ou encomenda, terão o mesmo preço do Sedex


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
Uma portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações determinou, nesta segunda-feira (8), um aumento de preços que deve impactar o bolso dos clientes dos Correios.
Nas modalidades de Carta Não Comercial, Cartão Postal e Franqueamento Autorizado de Cartas Nacional, objetos com peso superior a 500g terão o mesmo preço de Sedex. Hoje, a modalidade de Sedex é mais cara que carta, PAC e encomenda, mas demora menos para chegar ao destino.
Todas as tarifas da estatal vão subir em 7,48%. O Ministério da Fazenda já havia determinado o reajuste das tarifas em abril, como ocorre anualmente.
O retorno financeiro dos Correios tem diminuído desde 2014. A empresa teve prejuízo de R$ 2,1 bilhões em 2015 e R$ 2 bilhões no ano passado.
Em visita a Porto Alegre no início da semana, o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD-SP) voltou a defender a privatização da estatal.  "Não poderemos conviver com o déficit de uma empresa como os Correios", afirmou.
estatal caso ela não recuperasse sua situação financeira. "Senão vamos rumar para a privatização", afirmou.
Com reportagem da Folhapress.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia