Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de maio de 2017. Atualizado às 17h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 09/05 às 17h53min

Fitch reduz previsão de crescimento do Brasil em 2017 de 0,7% para 0,5%

A agência de classificação de risco Fitch Ratings reduziu nesta terça-feira (9) a projeção de crescimento do Brasil em 2017 de 0,7% para 0,5%. Ao mesmo tempo, elevou a estimativa de 2018 de 2,1% para 2,5%. A avaliação é que o Brasil tem feito progresso na estabilização da atividade depois da forte recessão, mas a retomada deve ser lenta.
O diretor da Fitch para o Brasil, Rafael Guedes, afirmou que o País dificilmente deve voltar no curto prazo a ter o nível de expansão que tinha no passado, quando a nota soberana brasileira estava em elevação, na casa dos 3,7% ao ano. "O patamar de crescimento é claramente menor agora, com baixo investimento, problemas na educação", disse a jornalistas, destacando que a expansão potencial da economia brasileira se reduziu.
O patamar de expansão esperado para o Brasil está abaixo de países similares e não é compatível com uma recuperação rápida da classificação grau de investimento, ressaltou o diretor da Fitch. O Brasil perdeu o selo de bom pagador em dezembro de 2015 pela Fitch.
Na apresentação que fez durante o evento, o executivo ressaltou que dos 23 países que foram rebaixados para o grau especulativo nos últimos anos, apenas 11 obtiveram a classificação grau de investimento de volta. Na média, a recuperação demorou seis anos.
Alguns países, como Malásia e Islândia, demoraram menos, na casa de um a dois anos, outros, como o Uruguai, levaram mais de dez anos. Já outros países, como Grécia, Chipre e Croácia ainda não conseguiram recuperar a nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia