Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 06 de maio de 2017. Atualizado às 11h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automobilística

Alterada em 06/05 às 11h25min

Ociosidade nas fábricas de veículos ainda é elevada

A produção de veículos no Brasil cresceu 20,9% no primeiro quadrimestre ante igual período de 2016, para 801,6 mil unidades Apesar da alta, puxada pelas exportações, o setor opera com ociosidade média de 55% (52% nas fábricas de automóveis e 80% nas de caminhões e ônibus).
Em razão desse quadro, as montadoras mantêm 8.938 funcionários com jornada e salários reduzidos e 1.347 em lay-off (contratos suspensos). Em 12 meses, 8.419 trabalhadores foram demitidos. Hoje, o setor emprega 120,9 mil pessoas.
O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, espera melhora a partir do segundo semestre, quando, em sua opinião, as vendas devem melhorar - o saldo de janeiro a abril foi o pior para o período desde 2006, com 628,9 mil unidades vendidas.
O setor espera que as reformas trabalhista e da Previdência sejam aprovadas. Para Megale, essas medidas darão maior confiança aos investidores. "E isso certamente deve trazer mais investimentos para nosso setor." Há alguns dias, executivos de 15 montadoras estiveram com o presidente Michel Temer para discutir a nova política industrial para o setor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia