Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de maio de 2017. Atualizado às 17h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Bancos

Alterada em 03/05 às 17h53min

Febraban: há percepção de lucros excessivos, talvez por forma de divulgação

Há percepção equivocada de que os lucros do setor financeiro são "excessivos" no Brasil. A avaliação é do presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal. O executivo disse que, se for levada em conta a taxa de lucro, as instituições financeiras têm resultado semelhante a outros setores da economia.
"Existe uma percepção de lucros excessivos no Brasil; talvez pela forma como os lucros são divulgados", disse Portugal, em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. O executivo citou que é mais adequado avaliar o lucro pelo retorno sobre o patrimônio.
Se for levado em conta o retorno sobre patrimônio - ROE, na sigla em inglês, bancos do Brasil têm o quinto maior lucro em pesquisa internacional citada pelo executivo. Ou seja, não lideram esse indicador no mundo. Portugal mencionou outras métricas, como a que indica que o setor bancário foi o 6º que mais registrou lucros na economia em 2015.
"A minha impressão é que os dados sobre a rentabilidade comparada com outros países ou setores colocam um pouco em dúvida a tese de que há concentração bancária ou falta de concorrência. Se fosse verdade, a taxa de lucro não ficaria abaixo de outros setores", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia