Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de maio de 2017. Atualizado às 16h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Alterada em 03/05 às 16h25min

Faturamento real da indústria cai 6,7% no primeiro trimestre, aponta CNI

Além de faturamento menor, massa salarial e emprego também tiveram redução

Além de faturamento menor, massa salarial e emprego também tiveram redução


ANDRÉ MAJOLA/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Folhapress
O faturamento real da indústria acumula queda de 6,7% no primeiro trimestre de 2017 na comparação com igual período do ano passado. É o que indica a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta quarta (3), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A massa salarial também registrou recuo no período, diminuindo 5,6%, e o emprego no setor apresentou queda de 4,4%. 
A comparação também mostra redução de 3,3% nas horas trabalhadas e de 1,2% no rendimento médio real em relação ao primeiro trimestre do ano passado. A análise mensal revela queda de todos os indicadores em março deste ano ante o mesmo mês de 2016.
No entanto, na comparação com fevereiro, a atividade industrial em março deste ano mostra alguns sinais positivos. O faturamento real mês a mês aumentou 2,4%. Segundo a CNI, foi a terceira alta mensal consecutiva do faturamento em um período de cinco meses.
O rendimento médio cresceu 1,2% e a massa salarial aumentou 0,4% no mesmo período. Os outros indicadores caíram na comparação mês a mês, com recuo de 0,7% nas horas trabalhadas na produção e de 0,2% no emprego.
Na avaliação da CNI, os dados de março apontam continuidade da dinâmica observada em meses recentes. "Os dados da indústria alternam variações positivas e negativas, sem caracterizar ainda uma tendência de retomada da atividade", analisou a entidade.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia